Comente*

* Apenas para assinantes

coment√°rios

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

  1. José Cardoso

    Estou celebrando lendo essa coluna on line, e numa grande tela de TV a 3 metros de dist√Ęncia. Maravilhas das √ļltimas d√©cadas.

    Responda
  2. Rynaldo Papoy

    O grande drama da internet (leia-se principalmente redes sociais) é o oceano de pessoas com problemas psiquiátricos, gente deprimida, ansiosa, que já tenha cometido suicídio ou tenha tentado. Minha turma do primeiro grau (1984) desapareceu quase toda da internet. Colegas de trabalho, etc. Lembrando que foi a internet a responsável pela ascensão da extrema direita no mundo.

    Responda
  3. Rynaldo Papoy

    Durante muito tempo, não tive nada a comemorar. A internet e redes sociais destruíram minha vida. Só comecei a me recuperar em 2014, quando larguei as redes sociais e comecei a usar a internet a meu favor, verificando as possibilidades de pesquisas quase infinitas. A internet, no entanto, está levemente se desdemocratizando, aos poucos, porque o trabalho depende de equipamentos novos e caros e bons conhecimento de inglês. Sem isto, é só diversão.

    Responda
  4. Vilson Raile

    Meu primeiro acesso a Internet foi em 1988. Nessa epoca ainda morava em Newark,NJ mas ia a NY 4 x por semana por estudos at Queens College. Quando vim para Brasil em 1992 logo tive q comprar uma linha de telefone exclusiva para conexão. Nos EUA eu utilizava o computador da escola que tinha uma grande network propria mas era também muito lenta mas mais rápida do que era aqui na conexão discada.

    Responda
  5. marenildes silva

    Tecnologicamente e materialmente/financeiramente até evoluímos, mas humanamente acho que regredimos, lamentavelmente.

    Responda