Comente*

* Apenas para assinantes

coment√°rios

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

  1. filipe moura lima

    Li essa coluna guiado pelas m√£os de outro colunista. Eu quis conferir in loco as ideias dessa senhora que se arvora inovar no pensamento. Mas ela, de fato, pensa?

    Responda
  2. Sérgio Dela-Sávia

    Prezado Lucas Macedo, TODO discurso pode veicular, promover ou difundir o √≥dio, o preconceito e a intoler√Ęncia. Porqu√™ o humor estaria isento disso? Ent√£o, condenamos o racismo, a homofobia, o machismo, xenofobia, a intoler√Ęncia religiosa. Mas, se isso for feito com humor, vale!?

    Responda
  3. Chiara Gonçalves

    Dra em comunica√ß√£o e me vem com " aonde uma piada matou uma mulher?" S√©rio mesmo? Ainda n√£o entendeu que √© pelo discurso que se reproduz a discrimina√ß√£o que, no seu limite, incorre em mortes? Ent√£o a √ļnica forma de viol√™ncia √© a f√≠sica, pra essa doutora? O que aconteceu com o Vin√≠cius Jr n√£o foi agressivo ent√£o, j√° que saiu vivo do epis√≥dio? Lament√°vel...

    Responda
    1. filipe moura lima

      Nem sabia da existência dessa colunista na fsp. Cheguei aqui por uma estrada torta e já pego o retorno, sem volta.

  4. Cecilia Lana

    2 d√ļvidas: 1- Ent√£o a piada e o humor est√£o acima do discurso normal, em termos de isen√ß√£o de responsabilidade legal? Pois falar algo r4cista √© crime. Qualquer coisa, √© s√≥ dizer que os torcedores do Val√™ncia estavam fazendo uma piada sobre Vini Jr tamb√©m? 2 - Onde fica a linha? Posso fazer um show s√≥ de piadas r4cistas? Posso (aviso de Lei de Godwin) fazer um com piadas que n4zistas fariam - e em algum por√£o aindas fazem?

    Responda
  5. Jove Bernardes

    O palco transforma as coisas. √Č um lugar m√°gico onde alguns limites s√£o temporariamente suspensos. No teatro, somos levados ao riso, ao choro, ao constrangimento, √† vergonha, √† indigna√ß√£o. √Č fora do palco que as regras valem, para todos, artistas ou n√£o. Aqui fora, somos todos iguais, respondemos pelo que dizemos e fazemos. A lei vale para todos. Este √© o item que muda as coisas: no palco, onde o artista exerce seu of√≠cio, as coisas s√£o diferentes.

    Responda
    1. Leonilda Pereira Simoes

      Para quem sofre com o racismo, a dor é a mesma, não tem diferença. A não ser que seja uma peça que discuta sobre a situação das vítimas de racismo de forma séria, não com piadas do século passado. Fazer rir com a dor, deixar pessoas com mais problemas emocionais, fora o bullying do dia a dia não é aceitável. Só que para muitos leitores brancos muita coisa justifica apunhalar pessoas com as "piadas" dos que não têm respeito, educação e muito menos humanidade.

  6. Orasil coelho pina

    A Lygia est√° correta, vejam a proposta de Carteira de Identidade que o governo est√° propondo, n√£o vai ter mais o sexo da pessoa! Pelo que li pode colocar o nome que quiser!

    Responda
  7. MARLUCE MARTINS DE AGUIAR

    A branquitude achar que piadas de cunho racista (nazista, ...), não é crime reforça o pensamento que há séculos nos maltrata! Veja recente episódio com Vini Jr. , será que tem graça? Um pouquinho de leitura de Lugar de Fala de Djamila já ajudaria a uma reflexão mais consistente!

    Responda
    1. Leonilda Pereira Simoes

      Tem raz√£o, mas muitos dos brancos que minimizam tudo o que se refere a racismo aqui, neste jornal, s√≥ pensam em si mesmos e em seus interesses. Alguns querem lacrar com mensagens estapaf√ļrdias, sem sentido. N√£o sabem o que os negros passam, o que os mais gordos sofrem, os que as pessoas deficientes tb t√™m de superar e se julgam muito expertos. Estes, os lacradores, n√£o t√™m sentimento, humanidade, nada na cabe√ßa.

  8. Sérgio Dela-Sávia

    Ent√£o, √© poss√≠vel achar gra√ßa dessa ¬ďpiada¬Ē: ¬ďEu sou a favor do incesto. Se for abusar de uma crian√ßa, abuse do seu filho. Ele vai fazer o qu√™, vai contar pro pai dele?¬Ē O humor pode fazer gra√ßa de nossas experi√™ncias cotidianas, assim como tamb√©m pode exercer cr√≠tica social (vide o Pasquim durante a ditadura militar). Mas, o humor tamb√©m poderia normalizar ou banalizar o que nossas pr√≥prias consci√™ncias n√£o apenas estranha, mas abomina? Rir√≠amos de uma piada sobre judeus em uma c√Ęmara de g√°s?

    Responda
    1. Lucas Macedo

      √Č o humor que banaliza a viol√™ncia?

  9. Joaquim Salom√£o

    Parece que a colunista gosta de piadinhas sexistas. Não entendo por que a sua coluna é sempre tão sem graça.

    Responda
  10. sergio ribeiro

    "piada" do cidadão: negros estão desempregados porque são preguiçosos; na escravidão ao menos estavam empregados. Conheço uma família de amigos negros composta de professores, engenheiros, estudantes, entre outros. O que dá aquele m... o direito de ofendê-los, maltratá-los, humilhá-los. Isso não é humor, é ultraje.

    Responda
  11. José Cardoso

    A censura vem pavimentada das melhores inten√ß√Ķes. Por pior que seja o tal humorista, muito pior √© ju√≠zes terem o poder de censurar espet√°culos de entretenimento.

    Responda
  12. José Roberto Franco Reis

    Impressionante como essa colunista sempre defende posi√ß√Ķes reacion√°rias, preconceituosas e racistas/ sexistas e outros istas em nome de uma suposta liberdade de express√£o, que no entender dela se sobrep√Ķe a tudo, n√£o importa que viol√™ncia defenda e que destrui√ß√£o e at√© morte provoque.

    Responda
  13. Luciano Ferreira Gabriel

    Excelente artigo, Lygia.

    Responda
    1. MARLUCE MARTINS DE AGUIAR

      como dizia Didi cuma?

  14. Alberto Melis Bianconi

    Concordo no essencial, mas acho desnecess√°rias as concess√Ķes que a autora faz. De um lado, o humor n√£o precisa necessariamente agredir algu√©m ou a um grupo, de outro existe humor natural na desgra√ßa alheia. Faz parte, pode-se achar gra√ßa ou n√£o, criticar, convidar ao boicote. Mas proibir n√£o faz qualquer sentido, piadas sem gra√ßa pode.

    Responda
  15. Maria Helena Chagas

    Ser negro é uma falha, um tropeção?

    Responda
    1. Alberto Melis Bianconi

      A autora não disse isso, caso contrário bastaria dizer que alguém é negro para fazer uma piada.

  16. José Eduardo de Oliveira

    e o pior √© que temos de continuar rindo dos corru-ptos, geno-cidas e falsos pastores. E a elei√ß√£o de charla-t√Ķes e charla-toas. At√© quando? Os ban-didos est√£o soltos mas os que fazem piada ser√£o presos, isso sim n√£o tem gra√ßa nenhuma. Mas, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responda
  17. Alexandre Salazar

    "Não podemos lidar com o desconforto intrínseco ao humor de forma autoritária". Por que somente em relação ao humor? Libere-se o assédio sexual, moral e tudo o mais que cause "desconforto". Artigo de intelectualouca. Vamos, em nome da possibilidade de dizer sandices, liberar a porra louquice. Não é aceitável.

    Responda
    1. Lucas Macedo

      Acho que √© justamente ai que voc√™ e muitos se equivocam. Uma piada sobre uma coisa n√£o √© a pr√≥pria coisa. Uma piada sobre um pol√≠tico corrupto e a corrup√ß√£o s√£o coisas distintas. Do contrario entramos ent√£o na seara que voc√™ prop√Ķe, em que uma piada sobre ass√©dio e o pr√≥prio ass√©dio se confundem. √Č uma forma acr√≠tica de enxergar a sociedade e de enxergar l humor. Al√©m disso, crer que pessoas comentem crimes motivados por piadas √© acreditar que as pessoas n√£o possuem capacidade de discernimento.

    2. Alberto Melis Bianconi

      Isso! Vamos proibir as inje√ß√Ķes, as salas de espera, a m√ļsica brega.

  18. marcelo pereira

    Falha de que,Lygia? Falha de quem? Quem decide n√£o √© a sociedade n√£o. Quem decide √© quem √© alvo do esc√°rnio, da viol√™ncia verbal, do preconceito travestido de gra√ßa. Voc√™ pode ou n√£o achar gra√ßa numa fala grotesca ironizando uma crian√ßa assassinada. Talvez voc√™ n√£o consiga ter empatia com a m√£e. Mas a m√£e sente. Pra ela √© uma agress√£o. Assim para uma pessoa abusada quando crian√ßa, assim para um negro que apanha da pol√≠cia. N√£o cabe a voc√™ nem a mim dizer se √© ok ou n√£o. √Č cruel. √Č crime.

    Responda
    1. Alberto Melis Bianconi

      Não, quem decide é a sociedade, sobre o que é uma agressão passível de punição e o que não é, ainda que cause desconforto. Caso contrário todos seriam capazes de silenciar os demais.

  19. Ricardo Luiz

    Pois eu acho que esse moço não é comediante, não merece atenção e está pagando pelas escolhas que fez

    Responda
  20. ISAIAS DA SILVA

    O cara é um imbecil. Acontece que suas piadas foram sobre emprego e escravidão, para os negros, e sobre reserva de mercado, para minorias. Ambas abjetas e sem graça, mas muito longe de pregar extermínio ou violência. Vejam, não esquentei porque tiraram do ar. Alguém recorreu e ganhou. Tiraram dentro das regras. Mas, proibir o cara de fazer novas piadas? Quem a juiza pensa que é? Uma sábia imaculada?

    Responda
    1. Alexandre Salazar

      Dentro das regras alguém é punido por dizer piadas racistas, mas ele continua. Cadeia nele. Sra Juíza , não proíba, encontre uma forma de prender o cara. Piadista desse tipo causa dor e sequelas nos ofendidos. Crueldade é crime.

  21. HENRIQUE FERREIRA PACINI

    Que papo mentiroso. O cara nao foi censurado. Seu discurso de √≥dio (aqui nao √© humor) foi retirado dos meios de comunica√ß√£o de massa, cujo acesso √© aberto a crian√ßas e jovens. Qualquer racista que o apoie pode continuar "saboreando" aquela porcaria ao vivo quando quiser, nas apresenta√ß√Ķes ao vivo. Parem de desinformar os leitores.

    Responda
  22. Leonilda Pereira Simoes

    Para concordar temos de minimizar ainda mais o sofrimento dos alvos das piadas ofensivas do suposto comediante. Aos negros, não basta todos os dias, a vida inteira ser seguidos por olhares desconfiados, têm de ouvir as piadas de quem assiste ao péssimo piadista. Então, os negros que se virem, diz a articulista. Os deficientes, deixem de mimimi, os obesos, superem a frescura. Sociedade justa é isso aí: um pode ferir milhares e tudo bem.

    Responda
    1. Leonilda Pereira Simoes

      Algu√©m disse que o "humorista", que nem piadista √©, n√£o sai na rua ofendendo qualquer um. Isso na opini√£o dele, porque quem grava um programa ofendendo meio mundo pode levar os "f√£s" ou idiotas que gostam das ofensas dele, a repetir o que acham legal no trabalho, metr√ī, ruas, bares etc. D√° na mesma. Ofensas levam a doen√ßas de fundo emocional, racismo mata. N√£o perceberam ainda. Quanta cegueira.

    2. Lucas Macedo

      D√° a entender que um humorista sai ofendendo as pessoas ao bel prazer. Um espet√°culo de humor est√° em um ambiente em que pessoas optam por frequentar. Nos shows do leo lins h√° deficientes, h√° nordestinos e h√° negros tamb√©m, que se interessam pelo conte√ļdo produzido.

  23. Jaime Souza

    Querida, hoje você foi desinteligente e desnecessária.

    Responda
  24. Jaime Souza

    Querida, hoje você foi desinteligente e desnecessária.

    Responda
  25. Daniel Quintela

    Sob essa perspectiva então devemos aceitar e naturalizar a violência contra aqueles que já são os mais vulneráveis e menos assistidos pelo estado! "Ah tah, senta lá Cláudia"!

    Responda
    1. Lucas Macedo

      A viol√™ncia e a piada sobre a viol√™ncia s√£o coisas distintas. N√£o √© a piada sobre moradores de rua que naturalizam essa condi√ß√£o, basta ir na pra√ßa da S√© para ver, sem piada, sem humor. A falta de assist√™ncia do Estado √© culpa do Estado, da corrup√ß√£o etc, mas n√£o √© culpa da piada. √Č importante saber separar as coisas. O riso do humor vem da quebra da expectativa, assim, rir de algo e concordar s√£o coisas distintas, assim como a piada do comediante, como profissional que faz rir, e sua opini√£o.