Coment√°rios para:

A Ceci alienada

VER COMENT√ĀRIOS EM Lygia Maria

Comente*

* Apenas para assinantes

coment√°rios

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

  1. Rives Passos

    Essa moça não faz critica literária ou cultural. Faz política barata. Tudo bem que não é possível dissociar totalmente. Mas, todo artigo dela é mais do mesmo. A obra parece ficar em segundo plano e sua ideologia fica escancarada. Militante.!

    Responda
    1. El√°dio Gomes

      e depois, caro Rives, a alienada é a Ceci revisitada...

    2. Rives Passos

      "H√° riqueza em atualizar obras de arte do passado, o problema √© subjugar a est√©tica √† pol√≠tica". √Č o que fazes. Aluna de Olavo de Carvalho?

  2. Graça Sette

    Ops Ailton Krenak

    Responda
  3. José Cardoso

    A interven√ß√£o na obra deve ser julgada esteticamente. Ali√°s, mesmo na obra original, h√° momentos de lamenta√ß√£o pela morte de ind√≠genas. O curioso, √© que mesmo parecendo anacr√īnica, h√° algo que se mant√©m atual: a vis√£o rom√Ęntica do ind√≠gena como meio que fundido √† natureza. Uma esp√©cie de nostalgia do para√≠so perdido.

    Responda
    1. Chiara Gonçalves

      Boa observação, Jove, adorei ter acabado em Fanta uva. Mas será que no fundo o que nos afeta em relação aos indígenas é o fato de que constituíram sua cultura sem tamanha oposição à natureza, como queriam os cínicos?

    2. Jove Bernardes

      Nostalgia do para√≠so perdido endeusada em Avatar e que sempre me fez rir. Se tem algo que nos define como civilizados √© justamente a ruptura com a Natureza. √Č a Natureza l√° e n√≥s c√°, com computador, ar-condicionado, vacina, anestesia, antibi√≥tico, autom√≥veis, saneamento b√°sico, asfalto, √≥leo diesel, concreto, shopping center e Fanta uva, √© ou n√£o √©?

    3. Graça Sette

      Os emojis de palmas n√£o foram aceitos. Viram letra o ou zero. Por que n√£o se pode usar emojis nos coment√°rios?

    4. Graça Sette

      √Č isso! OOOO

  4. Graça Sette

    Airton Krensk revisita o Modernismo. Antropofagia. Vamos fruir sem viés a recriação de O Guarani.

    Responda
  5. Graça Sette

    Revisitando o Modernismo.Antropofagia. Vamos fruir sem viés.

    Responda
  6. Chiara Gonçalves

    Hummm, liberdade de express√£o pra piada racista, mas muito cuidado com releitura de obras. Instigante...

    Responda
    1. Gustavo Barakat

      Ela não tentou proibir legalmente a montagem da ópera, nem multar os produtores por fazê-lo ou impedi-los de sair de sua comarca, apenas fez uma crítica, com a qual se pode concordar ou não. Comparar as coisas é extremamente falacioso.

    2. El√°dio Gomes

      exatamente o que pensei...fascistas como essa daí são previsíveis.

  7. El√°dio Gomes

    Enquanto a articulista colocar sua ideologia de direita à frente de qualquer assunto que deseja comentar, seus textos serão cheio de sofismas como esse. Ficou melindrada com a abordagem da nova montagem da peça, apenas porque o roteirista resolveu dar um choque de realismo a um romance literário claramente colonialista, incomodando sua veia bolsonarista. E, por favor, nunca mais cite Tólstoi. Você não é digna de citá-lo.

    Responda
    1. Gustavo Barakat

      Uma curiosidade: você viu a ópera?

  8. José Bernardo

    Artigo equivocado, com todas as suas cita√ß√Ķes laboriosamente coligidas para dar um lustre de erudi√ß√£o. Certamente a autora n√£o se deu conta, mas sua √ļltima cita√ß√£o vai justamente contra sua linha de argumenta√ß√£o: numa obra de arte o que conta √© se √© feita com arte, seja o tema amor e morte ou um plano de saneamento, tenha ela ou n√£o posicionamento pol√≠tico, seja ela obra original ou releitura que se assuma como tal.

    Responda
  9. ADONAY ANTHONY EVANS

    A Ceci alienada vs a Lygia reacion√°ria e racista; A colunista tem o direito de n√£o gostat da coisa do ponto de vista est√©tico. Da√≠ a vilipendiar em artigo revoltante o direito do povo dizimado em arcabuz, estupro e doen√ßas ven√©reas do colonizador, ca√ßado e acorrentado para escravo, em chorar seu destino no cl√°ssico de Carlos Gomes, vai uma enorme dist√Ęncia: a dist√Ęncia da Humanidade. Da dec√™ncia e da compaix√£o negadas pelo car√°ter esp√ļrio a si e a seu √≠dolo Mito Bolsonaro.

    Responda
    1. El√°dio Gomes

      Caro Sidney, há muito de racismo no texto da articulista. E racismo doentio. Leia mais umas cinco vezes, você chega lá....

    2. ADONAY ANTHONY EVANS

      A Associação dos Amigos da Lygia reagiu indignada. Para a Lygia, os índios são uma sub raça. Todos seus artigos tem uma linha coerente de ultra direita tóxica

    3. Sidney Costa

      Que coisa idiota ! O que tem de racismo no texto da Lygia ??!!

    4. Pedro Luis S C Rodrigues

      Nada como uma incurs√£o nos coment√°rios para se entender a profundidade do analfabetismo funcional no Brasil

  10. Henrique Marinho

    Bem colocado. Como disse Stendhal, a política na arte é como um tiro num concerto. Hemingway e Zola fizeram isso magistralmente, mas o ruído passou despercebido em suas obras imortais. Não parece ser o caso dessa ópera barulhenta.

    Responda
  11. Marcos Benassi

    Lygia, prezada, a blague do colega russo do Tolst√≥i foi √≥tema, mas desconfio que o √ļltimo seria suficientemente habilidoso pra faz√™-lo - caso n√£o o fosse, "Kafta" o faria muit√≠ssimo bem. Veja, compreendo o que voc√™ diz, mas a releitura do Carlos Gomes tem justamente a inten√ß√£o de botar o "√≠ndio de verdade" no comando da √≥pera e seus simbolismos. Se h√° legitimidade no uso do amor rom√Ęntico como libertador das opress√Ķes, n√£o vejo porque n√£o t√™-lo "pol√≠tico", na luta atual. Vale pra todos, n√£o?

    Responda
    1. El√°dio Gomes

      Tenho a impressão de que ela sabe muito bem disso, caro Marcos. Vem precisamente daí seu inconformismo com a nova abordagem proposta por Krenak. Lygia não decepciona...

  12. JUSCELINO PEREIRA NETO

    Uma humilde sugest√£o √† escritora: apesar de sua ancestralidade aqui nestas terras, os ind√≠genas da Am√©rica n√£o s√£o origin√°rios daqui, pois n√£o s√£o aut√≥ctones deste continente, mas sim resultado de um longo processo dispersivo que remontaria, aparentemente, a √Āfrica.

    Responda
  13. Maria Almeida

    Pelo contr√°rio, acho que Tolstoi faria um belo romance com o saneamento b√°sico de S√£o Petersburgo como pano de fundo. N√£o vi a vers√£o de O Guarani em quest√£o, mas a atualiza√ß√£o da narrativa e o di√°logo com as quest√Ķes ind√≠genas atuais podem fazer bem pra √≥pera. Tudo depende da arte empregada na montagem.

    Responda
    1. Gustavo Barakat

      Você pelo menos assume não ter visto a ópera e faz uma crítica respeitosa ao artigo. Aqui nesse ambiente raivoso dos comentários, é um bálsamo.

    2. El√°dio Gomes

      Deixa pra l√°, cara Maria. Ficou muito claro que a articulista n√£o leu um romance b√°sico de T√≥lstoi, chamado Ressurrei√ß√£o, em que ele aborda essas quest√Ķes nas cadeias russas do s√©culo XIX. Ela deveria pensar duas vezes antes de citar o grande mestre da literatura universal, at√© porque duvido muito que ela aprecie escritores como ele.

    3. Marcos Benassi

      Poi Zé, prezada Maria, tive idêntica impressão. Crítica de arte pode até conviver com algum azedume, mas tem que ter argumentos melhores... Hahahahah!

  14. Clayton Luiz da Silva Moreira

    Antonio Prata n√£o deve ter curtido esse artigo! rs

    Responda