Comentários para:

A prisão das musas

VER COMENTÁRIOS EM Lygia Maria

Comente*

* Apenas para assinantes

comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

  1. Anna Gabriella

    Segundo esta coluna, Itamar tenta silenciar a crítica de seu livro, por ter sido negativa. Já Itamar, em réplica recente aqui na fsp, alega que sua acusação de racismo se deve não a crítica ao livro, mas às ofensas contra ele em redes sociais. Fica claro o desencontro de informações. E a tentativa das pessoas em tomar um partido me faz crer que, afinal, não importa do que se trata a discussão, o importante é discutir.

    Responda
  2. Sidney Costa

    O que o Itamar vieira Jr quer é justamente o efeito desse " efeito inibidor ". Acusa de racismo quem faz uma critica negativa e busca dessa forma que ninguém mais o critique negativamente. Patético.

    Responda
  3. Ivo Ferreira

    Preconceito é uma coisa. Falta de inteligência é outra. Um grupo de leitores acredita que tudo que é escrito sobre pessoas de pele negra deve ser elogioso. Com isso, acreditam que o desrespeito aos negros vai acabar. Coitadinhos.

    Responda
  4. william Santana Damiao

    A sua coluna é uma vergonha, é um passa pano, para tentativa de humilhação pública de um autor. O que aconteceu no twitter foi vergonhoso

    Responda
  5. Marcos Barbosa

    Usar o negro Machado de Assis, e o branco Paulo Coelho, é um desrespeito a ambos, e um argumento para lá de preconceituoso.

    Responda
  6. Antonio Catigero Oliveira

    Reforço o comentário abaixo, do leitor Álvaro.

    Responda
  7. ALVARO CASSIO FERREIRA

    Em nenhum momento li em qualquer reclamação do escritor em relação à crítica da senhora Lygia, ele reclamou dos twits que a critica postou, tentando humilha-lo em público, reforçando a branquitude da critica no Brasil. Infelizmente a sua coluna está equivocada!!!!!

    Responda
    1. filipe moura lima

      Exato

  8. Carlos Henrique Vieira

    A colunista retoma o caso Machado, como exemplo de autor negro ovacionado pela crítica, mas parece esquecer que ao longo de quase todo o século XX Machado passou por um processo de embranquecimento (vide os retoque em suas fotografias ou o apagamento de sua origem e raça e manuais ou livros didáticos). Talvez o pacto da branquitude que a colunista parece não enxergar, esteja justamente aí: na irrisória quantidade de autores negros que, para além do reconhecimento, conseguiram publicar.

    Responda
    1. Carlos Henrique Vieira

      O pacto da branquitude aparece ainda na mobilização midiática que se ergue por colunistas e escritores brancos para dizer a um autor negro que ele está enxergando racismo onde não tem e que assim ele põe a crítica literária em risco. Mesmo que para isso, se publique um texto com argumentos fracos e que "requenta" as posições de terceiros, sem acrescentar nada de relevante a discussão como esse artigo de Lygia Maria.

  9. Fabio Ferreira Lyra

    Achei pertinente a crítica.

    Responda
  10. Leonilda Pereira Simoes

    Quem nunca sofreu racismo não sabe o que causa na mente e coração de quem sofre todos os dias toda a vida. É preciso ter cuidado com tudo o que se escreve sobre o assunto, a maioria das pessoas não tem experiência de vida nem empatia para tentar compreender do se trata. Os críticos também tem de ter compreensão e empatia.

    Responda
  11. Marco A Moreira

    Excelente artigo.Identitarismo enquanto ideologia serve para fomentar o ódio, prejudicar o debate e tolher opiniões. A noção de raça há muito se perdeu na biologia, a luz da moderna genética não tem sentido. O preconceito existe? Sim. Somos recordistas: negros, pardos, pobres, LGBT, nordestinos - a lista é enorme. Mas não como apresentado pelo autor.

    Responda
    1. Leonilda Pereira Simoes

      A escravidão, milhões de mortes na África causadas pelos europeus, toda a violência no Brasil colonial e depois na suposta modernidade não podem ser resumidos a difundir identitarismo. Quem fomentou ódio e matou a gosto não foi o povo negro. Não é cobrança sem sentido. Os europeus devem, sim, compensação aos países explorados, o Brasil tem dívida eterna aos escravizados e mortos com violência extrema e seus descendentes. Primeiro, respeito, humanidade, depois a crítica com visão ampla.

  12. Jaqueline Mendes de Oliveira

    E, reconhecendo meu "não-lugar de fala" nem para julgar a resenha nem para avaliar se o argumento do autor procede, limito a minha crítica à colunista: seus argumentos são rasteiros e seu texto carece da necessária imparcialidade para tão complexa análise.

    Responda
    1. Chiara Gonçalves

      Concordo, a colunista se limita a polemizar sobre os excessos, que existem, claro, das pautas identitárias. A coluna é sempre sobre isso, e sempre de forma rasteira e muito mal fundamentada.

  13. Jaqueline Mendes de Oliveira

    Não encontrei a tal resenha na íntegra, mas a julgar pelos comentários (de outros críticos literários e escritores), a reação do escritor foi exacerbada e seu argumento injusto ao comparar a crítica liteUaria que sofreu aos insultos racistas que o jogador Vini Jr tem recebido. Eu, leitora desta coluna, reconheço não ter lugar de fala nem na análise de críticas literárias nem muito menos para avaliar se houve ou não viés do racismo estrutural na resenha de Ligia Diniz.

    Responda
    1. SERGIO DIAS CANELLA

      A resenha completa se encontra na revista Quatro Cinco Um, número 69. Como o livro está próximo em minha lista, só vou ler a resenha após apreciar o livro em sua totalidade.

  14. Artur Carmel

    Panfletos literários em tempos de Identitarismo exacerbados.....

    Responda
  15. Luiz Carlos Farias

    Bom dia .Com todo respeito o Itamar fala de algo muito sério e verdadeiro. A branquitude se organiza para manter seus privilégios e os críticos em sua maioria fazem parte desse grupo privilegiado . Vejo a dificuldade dos branco em reconhecer que estamos numa estrutura racista , ninguém reconhece suas práticas racistas . A pseuda fragilidade branca é a algo ser muito estudado .Recomendo o livro da Intelectual Cida Bento "Pacto da Branquitude" grande abraço. Ah sim e branco também é raça .

    Responda
  16. Felipe Vasconcelos

    A colunista demonstra coragem excepcional ao ousar elaborar críticas bem-fundamentadas contra o zeitgeist identitário.

    Responda
  17. Daniel Barbosa

    Realmente Lamentável a postura "inibidora" do Itamar, usando o racismo, um grave problema social, de maneira frívola.

    Responda
  18. Jaqueline Mendes de Oliveira

    "O autor merece pontos por trazer ao protagonismo literário quem até pouco tempo não tinha voz". Isso não é crítica positiva e sim condescendência!. Insulta mais do que a crítica dizer que os personagens do novo romance são maniqueistas!

    Responda
    1. Mário Sérgio Mesquita Monsores

      Ta lendo muito djamila. Ja fui barrado em encontro de capoeiristas pois ali nao era meu lugar. Xingado de todos os adjetivos pq em uma pelada anulei o gol de um grande ex amigo. E outra. Branco é papel a4.

    2. José Fernando Marques

      Discordo de você, Jaqueline. Essa é uma constatação e um elogio. Se vamos buscar intenções duvidosas ou equivocadas em tudo o que os comentaristas dizem sobre as obras de arte, acabaremos criando um ambiente repressivo, que estimula a autocensura. Não é fácil receber críticas, mas temos que tentar conviver com elas.

  19. Carlos Alberto de Paiva Carvalho

    A atitude covarde de Itamar, tentando se esconder atrás de uma acusação de racismo, contrasta com a atitude madura da Djamila Ribeiro no seu último texto na Folha, onde ela diz não gostar da condescendência motivada pela cor da pele. Parabéns, Djamila.

    Responda
  20. armando moura

    Machado de Assis olha para o legado e se pergunta, o que fiz de errado? A começar pela academia brasileira de lesmas. A literatura, como outras atividades de cultura e arte, até a arquitetura, se apoiou em uma elite, com pouquissimos campeões. Deixem todos escreverem e fazer sua arte, criticas são como roupas, alguma servem outras não , alguma são para um momento. Somos todos pardos, somos brasileiros, não se envergonha disto, apenas das desigualdades, não é pouco.

    Responda
  21. Marcelo Fernandes

    O racismo é uma doença grave. Mas o remédio do identitarismo, como qualquer remédio, depende da dosagem certa para não se tornar veneno. Mas parece que os "progressistas", mesmo os mais inteligentes, ainda não acordaram para essa obviedade.

    Responda
  22. José Cardoso

    Quem assiste mesas literárias como a da Flip, sabe que o padrão é a rasgação de seda com os autores. Nesse ambiente de mimos, qualquer crítica vira ofensa. Esse daí usou o racismo para embirrar.

    Responda
  23. paulo werner

    Alem de imprecisa, a mobilização de Machado pra amortecer a brutalidade do racismo sobre artistas negros no Brasil entrega a saturação afetiva da artigo. E a resenha de Lígia Diniz desconsidera a escolha pela suspensão d alguns marcadores formais da boa construção ficcional, em razão na natureza dos personagens. Da tradição literária brasileira, pouco ou nada contempla as exigências levantadas.

    Responda
  24. Alberto Melis Bianconi

    O problema de fundo aqui é o puritanismo destes tempos. É evidente que preconceitos de todo tipo podem se imiscuir na crítica de arte, não importando a quantidade de doutorados que ostente o crítico. É uma questão séria, mas que não deveria gerar cancelamentos de parte a parte. Se a acusação de racismo é infundada, então quem acusa está sendo preconceituoso. Não há outra palavra para o preconceito étnico, mas racismo é também o nome de um crime, e um anátema lançado contra o outro.

    Responda
  25. Hermes Yaly

    Análise impecável!

    Responda
  26. Alexandre Pereira

    Ótima colocação. Se o ressentido autor tem aversão à criticas e recorreu ao discurso fácil de clamar racismo pela falta de argumentos, só conseguiu demonstrar que o crítico tinha razão. Não se deve banalizar uma causa nobre, nem usá-la como refúgio para a mediocridade.

    Responda
  27. Nivaldo Dias

    Bonaserata. Eu leio os vimentários e sinto que muitos são agregadores e críticos de forma racional e educada mas outros soam como ofensas embrulhadas em papel de bala. Ninguém nos obriga a coisa alguma, buscamos ( digo por mim) captar boas idéias e bons argumentos para incorporar em nosso manual cerebral de forma a nós sentir mais encorajados para expor opiniões. Todos temos o direito de questionar mas é importante um pouco de respeito , não acham ?

    Responda
  28. Florentino Fernandes Junior

    Lygia, suas analises sao precisas.

    Responda
  29. Alexandre Avelar

    Mas, diante da ruindade de Paulo Coelho e a genialidade do Bruxo do Cosme Velho, não haveria mesmo pacto de branquitude que salvasse a obra do autor de O Alquimista. Portanto, a observação de Itamar segue verdadeira e provocante.

    Responda
  30. Edimilson Volpe

    Falou a musa dos minions

    Responda
    1. Alexandre Pereira

      Respondeu o gado.

  31. josé SOARES

    Análise desconexa e , sim, preconceituosa, parcial ao não se aprofundar no tema em debate e superficialmente criticando o escritor Itamar, por sinal uma das mais agradáveis na atual literatura brasileira.

    Responda
    1. ROBERTO GENERALI BURGESS

      Entendeu legal o texo rsrsrs

    2. Alexandre Pereira

      Cé leu?

  32. Antonio Araújo

    Continuando...se Itamar não ganhar o Nobel em 2023 é racismo...

    Responda
  33. Antonio Araújo

    O intocável...

    Responda
  34. João Paulo Marques Cerqueira

    continuando... Parece não saber que Machado sofreu um processo de branqueamento ao longo das décadas, só recentemente, por imagens e recomposição visual digital, reafirmou-se sua negritude. "Análises" como esta só reforçam o posicionamento do Itamar - que, pelo visto, está certíssimo.

    Responda
    1. Alexandre Pereira

      Nos livros? Larga mão, sô.

  35. João Paulo Marques Cerqueira

    Que texto horroroso, meu Deus! Sai em defesa de uma das partes sem nem mencionar se leu o livro ou não. Triste. Lendo o livro - e a crítica - fico com a obra e o autor.

    Responda
    1. Antonio Araújo

      Falou o crítico...

  36. Geroboão Souza

    Excelente!!!

    Responda
  37. Elizabeth O Costa

    O ativismo de pautas sociais está matando a literatura.

    Responda
    1. Alexandre Pereira

      Está banalizando os ideais também.

  38. José Fernando Marques

    Concordo com você, Lygia Maria. Gostaria de apontar um dado na polêmica, ouvido em entrevista do romancista. A crítica foi publicada e ele, segundo conta, passou um mês "em silêncio". Então a comentarista foi ao Twitter e o acusou de preguiça mental por não se dispor ao debate. Se isso ocorreu, pode ter havido ansiedade dela em ter uma resposta, uma reação do autor. De todo modo, a acusação de racismo feita por ele é improvável. Se acha que houve, deve apontar em que ponto do texto aparece.

    Responda
  39. Fernando Borges Campinas SP

    Gostei

    Responda
  40. Rodrigo Jungmann

    Como sempre, muito bom.

    Responda