Comente*

* Apenas para assinantes

comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

  1. Chiara Gonçalves

    Lygia defende a liberdade de queimar o Corão, mas experimenta fazer uma releitura do Guarani numa peça teatral...

    Responda
  2. Wilson Barbosa Soares

    Apenas homenageando; o genial Maurício de Souza já levantou essa bola há quase 40 anos atrás quando sua eterna Mônica pergunta à Magali: "Você acha que medo é falta de respeito?"

    Responda
  3. Mário Sérgio Mesquita Monsores

    Pelos comentários a gente vê como tem fascista e nazista no BR

    Responda
  4. Aderval Rossetto

    Temos que respeitar os valores de todos! Queimar literalmente nossa bandeira ou dinheiro é crime. Qual a diferença nos valores deles?

    Responda
  5. Luciano Siqueira Mina

    A democracia liberal ocudental é o único dogma que está senhora respeita? Agora tente queimar uma bíblia na central do Brasil pra vc ver o que acontece... Realmente esses " articulistas' só sabem fazer propaganda iideologica travestido de jornalismo ....

    Responda
  6. Petrônio Alves Filho

    A ação de tocar fogo no Alcorão não é uma atitude sensata. A reação de ataque às embaixadas, também!

    Responda
  7. newton penna

    Se a liberdade de expressão é realmente tão cara ao dito liberalismo, por que a "democracia liberal" alemã trata como crime qualquer elogio ao nazismo? É porque a tal liberdade de expressão não é um direito absoluto. (E nisso os alemães estão totalmente certos, que fique bem entendido.) Como se vê, a articulista só sabe pensar pelo viés ocidental - e nem a dita "democracia liberal" é tão liberal assim.

    Responda
    1. Marcos Benassi

      Os alemão, caro Newton, nesse aspecto específico, tão morrendo de inveja do crau que o Bozo e uns poucos Bozolóides graúdos tão levando: já teve político de lá elogiando, estamos conseguindo fazer aquilo que eles têm dificuldade. Enquadramento de nazifascista, até pra 'lemão, não tá fácil.

  8. Dario Lima

    A Teocracia bolsonarista, somada aos golpistas militares e os insanos portadores de armas, com ímpeto assassino, são perigosos para o Brasil.

    Responda
  9. Dario Lima

    Religiões são partidos políticos disfarçados, que usam o medo e a ignorância pra controlar multidões. O bolsonarismo faz isso no Brasil.

    Responda
  10. Wellington da Silva

    Fala sério, bicho! Esse texto é uma piada (pra não dizer uma ofensa). Nem bêbado eu gostaria de ser a pessoa que fala uma bobagem dessas, com todo respeito.

    Responda
    1. Dalton Matzenbacher Chicon

      Respeito ?

  11. Berenice Gaspar de Gouveia

    Por que nenhuma menção aos abundantes casos de censura cristã no Brasil? Uma Escola de Samba já foi impedida de usar uma imagem do Cristo Redentor - que é uma estátua. Isso não é teocrático? Colar em outras crenças o rótulo é preconceituoso

    Responda
    1. Dalton Matzenbacher Chicon

      Porque o assunto é outro.

  12. Alberto Melis Bianconi

    Essa é a diferença entre a realpolitik e a ingenuidade ideológica, ideologia liberal no caso da colunista. Como ela inocentemente admite a ameaça do mundo islâmico é real, e no frigir dos ovos pouco importa se é o Islã autêntico ou o terrorista que ameaça, como a colunista diferencia, para não posar de preconceituosa. Não precisamos queimar o Corão ou avacalhar o profeta para provar que somos liberais, nem ganhamos nada com isso.

    Responda
    1. Dalton Matzenbacher Chicon

      Liberalismo é algo pragmático. Ideológico é o ranço ilusório.

  13. ANTONIO CZAS

    A reação dos fundamentalistas é desmedida em relação ao desrespeito sofrido. Poderiam queimar a Constituição Sueca em frente ao parlamento nórdico e estariam equivalentes. Ofender valores sagrados, de identidade, de gênero ou o que seja é de uma estupidez atroz. Mas ser intolerante com os intolerantes seria desrespeitar a liberdade de expressão?

    Responda
    1. Alberto Melis Bianconi

      Engraçado, mas quando negam o holocausto (eles, não eu, que fique claro) o ocidente protesta.

  14. Gustavo Adolfo Sierra Romero

    Legitimar com fundamento na liberdade de expressão as manifestações de intolerância religiosa é um caminho irracional, incivilizado e simplório na abordagem de um problema complexo. A colunista pode fazer um exercício de abandono do seu lugar de fala individualista liberal para tentar entender que o maniqueísmo de "nós contra eles" ou vice-versa deve ser superado com estudo e compreensão das visões desses tantos outros que têm outras visões de mundo.

    Responda
  15. Ricardo Candido de Araujo

    Quer dizer que a famosa queima de livros pelos nazistas era apenas "liberdade de expressão "? Sou absolutamente favorável à mais ampla liberdade de expressão, porém, se essa servir para tensionar as relações entre culturas diferentes, não dá. Há uma Igreja evangélica próxima da minha casa, posso, dentro desse seu conceito, queimar uma Bíblia na frente dela ou isso só vale para o Alcorão?

    Responda
  16. armando moura

    Eh liberdade de expressão, queimar um livro sagrado para algumas culturas religiosas, no caso uma das maiores do mundo? Os inquisitores que queimavam livros estavam só professando liberdade de expressão? Agredir para alguns eh liberdade dependendo do agressor e agredido, pensamento do bolsonarismo. Barafunda não é barranabunda.

    Responda
  17. LUIZ FERNANDO SCHMIDT

    Eu radicalizo quanto à minha liberdade de manifestação de cá, eles radicalizam quanto a seus dogmas de lá e daqui a pouco vamos ter mortes por aí. Não vejo necessidade de queima de livros sagrados como forma de "liberdade de expressão". Isso vai um pouco, ou muito, no sentido da falta de educação. Há formas mais civilizadas de eu expressar minha liberdade de manifestação. Atos extremos são sempre sem razão, mas nem sempre sem motivos.

    Responda
  18. Felipe Vasconcelos

    Essa é uma visão muito otimista de respeito. Maquiavel destrinchou o dilema dos governantes concluindo que despertar medo nos governados é mais efetivo do que o amor. Talvez um misto dos dois? Mas os protestantes (não me refiro a evangélicos haha) não são bobos. Sabem da eficácia de seus protestos (tanto é que o Porta dos Fundos não satiriza os direitos humanos; o que não pode ser satirizado é sacralizado). A violência simbólica dos manifestantes desperta a violência física dos grupos armados.

    Responda
  19. adenor Dias

    Estou com medo, porque estou perdendo medo de me manifestar contra religiões! Quando criança, me ensinaram a ter medo de lobisomem, mula sem cabeça e o homem do seco. Hoje entendo que pessoas que querem se manter no comando da humanidade, impõe o medo para controlar o resto de sociedade.

    Responda
    1. Marcos Benassi

      Adenor, meu caro, o erro de digitação atirou (ops!) no que viu, atingiu o essencial. O homem "do seco" merece ainda seu temor: destruidor de florestas, detonador de cursos d'água com mercúrio e agrotóxicos, não tivera sido detido pelos votos, estaria nos ameaçando com secura e contaminação. Mantenhamos o Bozo Orelha Seca no panteão das desgraças ameaçadoras, se não se importa.

  20. Marcos Benassi

    Eita, Lygia, respeito pelo medo é coisa típica de bandido, né? Não que eu ache que o Tarcizão do Cadáver possa ser atingido por está concepção. Nem o Derrite, imagina. Mas não dá pé essa história de baixar a cabeça à selvageria derivada da doutrinação reaça. Tamo mesmo falando da escandinávia? Tá parecendo Brasília, oito de janeiro de doismilevintetrês.

    Responda
  21. José Cardoso

    É um nó, porque tanto a Bíblia como o Corão foram o equivalente a constituições de hebreus e árabes em determinadas épocas. E em boa parte fundam a ideia de respeito à lei. Só que hoje muitos de seus artigos, parágrafos e incisos (sobre relações entre gêneros por exemplo, ou sobre penalidades aplicáveis a transgressões) colidem com as constituições modernas. Portanto, quem defende a obediência estrita a esses livros está fora da lei. Vale para islâmicos lá e cristãos aqui.

    Responda
    1. Alberto Melis Bianconi

      Se algum maluco resolver queimar nossa Constituição cidadã na frente de nossa embaixada, num país muçulmano qualquer, o Itamaraty deveria protestar, o Brasil deveria cortar relações diplomáticas?

  22. paulo werner

    Lygia tem um ponto aqui. Mas a ideia de que as restrições à liberdade de expressão tem relação com prejuízo ao indivíduo, com a individualização do dano, isso é inteiramente falso! A ingenuidade aqui exclama! Nações liberais criminalizam declarações de ódio e intolerância religiosa, especialmente em ataques simbólicos à comunidade. Não escapa a um liberal consistente o q está em jogo na linguagem. Lygia já ouviu falar em intolerância religiosa. Escreveu às pressas, na certa.

    Responda
    1. paulo werner

      Ricardo, vc apontou bem o mal estar liberal: o fato de que as ampliações de seu conceito de liberdade foram demandadas por seus adversários políticos. Não eram liberais que encerravam fileiras contra o trabalho infantil, contra a colonização da África, px. Outra coisa é o injustificável desconhecimento de construções já assentadas nas democracias liberais, ponto cego do texto de hj. Os nórdicos tbm enfrentarão essa aparente lacuna sua legislação. O paraíso tem lá suas lacunas.

    2. Ricardo Arantes Martins

      Sim o respeito. Logo após a revolução francesa alguns liberais radicais saiam queimando igrejas, não importando o seguimento (o que de per si é um contra senso) aos poucos foram chegando a alguns consensos sobre os limites das liberdades. Mas é uma questão difícil senão pela razoabilidade na análise de caso a caso.

  23. Ricardo Arantes Martins

    Democracias liberais não devem se curvar a dogmas de regimes teocráticos, sob risco de solapar a liberdade de expressão diz a cronista. Mas que democracia não é liberal? as europeias já tem inclusão e bem estar social. não falo aqui de liberalismo econômico, que é o capitalismo selvagem. O liberalismo foi a maior revolução do mundo moderno. Se tivemos acesso a Kelsen, Marx, Darwin, Neno Vasco. Não mais somos obrigados a ir a igrejas e podemos nos expressar. dai evoluímos ao social.

    Responda
  24. Adalto Fonseca Júnior

    A luta mais difícil que tenho travado no fim das contas é a luta por discernimento. A colunista foi muito feliz em todas as observações. O problema é que nem sempre a reflexão vem junto com a notícia. Li notícias relatando que os governantes estavam preocupados com possíveis retaliações com violência extrema. Um tema espinhoso.

    Responda
    1. Marcos Benassi

      Adalto, meu caro, parece - até o momento, sujeito a mudanças - que a violência *extrema* originou-se no governo. Ele deve temer o espelho, pelo observado...

  25. Ricard Wagner Rizzi Pereira da Mota

    Concordo plenamente, no entanto, quando li "Democracias liberais não devem se curvar a dogmas de regimes teocráticos, sob o risco de solapar a liberdade de expressão", achei, na hora, que o texto versava sobre as mudanças promovidas pelo governo de Israel.

    Responda
    1. Marcos Benassi

      Hahahah, dedo no'zóio.

  26. Marcelo Moraes Victor

    concordo em geral, mas observaria que há um conflito delicado deve ser resolvido democraticamente: entre liberdade absoluta de expressão (queimar livros a lá nazistas é isso??) e um mínimo respeito dentro da Lei leis sobre direitos básicos e diferenças. Cortar clítoris? Jamais! Ofende nossas leis. Outro exemplo: mãe indígena foge da tribo para uma cidade para salvar filho que nasceu defeituoso e deveria ser eliminado na cultura deles. Essa criança é cidadão do Brasil, não pode ser morto! Fácil

    Responda