Coment√°rios para:

Aborto em jogo

VER COMENT√ĀRIOS EM Lygia Maria

Comente*

* Apenas para assinantes

coment√°rios

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

  1. Paulo Garcia

    Um ponto central que n√£o se discute √© que as pesquisas de opini√£o, inclusive as do Datafolha de 2018 e 2022, mostram que dois ter√ßos da popula√ß√£o, tanto feminina como masculina, s√£o contr√°rios √† descriminaliza√ß√£o do aborto. Enquanto mais de 100 milh√Ķes de eleitores pensarem dessa forma, √© totalmente antidemocr√°tico alterar a legisla√ß√£o. As pessoas favor√°veis √† altera√ß√£o devem antes promover campanhas para tentar conseguir ades√£o da maioria da popula√ß√£o a seu favor. Democracia √© assim.

    Responda
  2. Florentino Fernandes Junior

    Grave questao de saude publica é outra fonte de controversia. Prezada Lygia

    Responda
  3. Ricardo Pereira Ignacio

    Meu Deus !!! Só temos ministros comentando aqui? Ops ministros não, monstros

    Responda
  4. ANTONIO CARLOS Vely Mendonça

    Os homens mais atuantes na luta contra o aborto são aqueles que não hesitam em mandar suas amantes para uma clínica de aborto caso elas engravidem. São esses os que falam em nome de Deus e da família e saem de seus trabalhos para pagar por sexo antes de ir para casa encontrar mulheres e filhos. Milly Lacombe. Artigo Como falar de aborto sem histeria.

    Responda
    1. Marcos Benassi

      √Ē√ī√ī, Antonio, a Milly √© uma jornalista de primeir√≠ssima, com um vi√©s cr√≠tico muit√≠ssimo mais agudo que o da articulista, capaz de cada dedada no'z√≥io! Foi uma excelente e oportuna lembran√ßa.

    2. Ricardo Pereira Ignacio

      Fale por você meu caro assassininho de criancinhas

  5. ANTONIO CARLOS Vely Mendonça

    Defender a (suposta) vida de um feto e ignorar a brutal e real vida das crian√ßas pobres que j√° nasceram n√£o √© atitude crist√£, decente, digna ou toler√°vel. √Č apenas covarde, abjeta e diab√≥lica. Milly Lacombe. Artigo: como falar de aborto sem histeria?

    Responda
  6. Dario Lima

    Legalização imediata do aborto de forma irrestrita.

    Responda
  7. Ana Brasil

    Já viu o ultrassom de uma bebê de 12 semanas? Vamos deixar burocratas de toga dizer que essa vida não tem valor algum? Se pode com 12, porque não com 16? Ou 30? Qual a linha aqui? Ou acontece algo mágico quando a criança atravessa o canal vaginal e só assim passa a ser um ser humano?

    Responda
    1. Dario Lima

      Concordo, nenhum burocrata de toga, assim como, nenhum hipócrita religioso em nome de nenhuma divindade por ele criada, pode decidir o que a mulher faz com seu corpo, ela decidi o que fazer. Legalização imediata do aborto, chega de hipocrisia no local onde se faz mais aborto no mundo. As ricas pagam especialistas, as pobres....

  8. Ivan Zacharauskas

    Rosa Weber está corretíssima. E digo mais: se homens, especialmente os tapados e machistas, engravidassem, aborto já estaria liberado desde a Antiguidade.

    Responda
  9. José Bueno

    O que nos entristece √© a hipocrisia de boa parte dos que resistem violentamente √† descriminaliza√ß√£o do aborto, porque n√£o est√£o agindo por um ato de compaix√£o crist√£, nem pelas crian√ßas e nem pelos pais. N√£o falam de verbas p√ļblicas para a sa√ļde. A fala destes moralistas √© dogm√°tica, n√£o aceita an√°lise ou discuss√£o, mas esta garante a coes√£o do seu grupo 'religioso' em torno de uma 'autoridade' supostamente religiosa, na verdade comprometida com as vantagens desse poder.

    Responda
  10. Orasil coelho pina

    A gravidez indesejada e ou não planejada afeta mais os pobres por serem, disparadamente, a maioria da população e também menos informada. Na ilegalidade, acontece que os abortos continuam sendo feitos clandestinamente e expondo as mulheres a riscos graves e desnecessários. Temos que preservar o Estado laico!

    Responda
    1. Marcos Benassi

      Eita, Doutor Orasil Sertanejo, subscrevo, se me permitir, pelas Moças e Estado laicos.

  11. Gerardo Xavier Santiago

    Entender que a partir de fecundacao j√° exista um ser humano √© negar a ciencia, que nos ensina que durante o processo de gestacao primero se forma um zigoto, depois um embriao e na √ļltima fase um feto. Dizer que um zigoto ou um embriao √© um ser humano √© como dizer que um ovo √© um galo ou galinha.

    Responda
  12. José Fernando Marques

    Se o Estado se acha no direito de proibir que uma mulher faça o aborto, deveria então ajudá-la a manter a criança e a criá-la. Muitos dos que são contra o aborto, além de desconsiderarem que essa decisão cabe à mulher, não levam em conta as dificuldades por vezes intransponíveis em cuidar de uma criança neste país. Proibir e lavar as mãos é contraditório - e fácil.

    Responda
  13. josé SOARES

    ¬ďDebate violento e polarizado¬Ē, desde que o tema entrou em pauta h√° anos, partiram do obscurantismo religioso , sem considerar as reais raz√Ķes sociais e de sa√ļde p√ļblica.

    Responda
  14. José Cardoso

    Muito bem colocado. √Č um problema de linguagem porque por um lado √© um assassinato j√° que o desenvolvimento do ser humano no √ļtero √© um processo cont√≠nuo que est√° sendo voluntariamente interrompido. Por outro lado um feto em desenvolvimento √© sim parte do corpo da gestante. Mas, al√©m da linguagem, √© uma quest√£o de sensibilidade. Sentimos muito mais repulsa √† morte de um beb√™ depois de nascido e respirando que antes desse momento. Da√≠ a criminaliza√ß√£o do infantic√≠dio n√£o ser pol√™mica.

    Responda
    1. luiz menezes azevedo filho

      Existe gente sensata nos coment√°rios da Folha. Que grata surpresa.

  15. Paulo Santos

    O que está em formação já é vida, sim. Potencialmente ou não - uma ideia filosófica bem razoável. 3 semanas de vida, então, nem se fala. Outra reflexão filosófica, Lygia: a vida em formação é frágil. Uma pessoa adulta impedir esta vida é covardia.

    Responda
    1. Priscilla Martinelli

      Gostaria de saber a opini√£o dos que acreditam que j√° √© um "ser humano" a partir da concep√ß√£o a respeito do congelamenro de embri√Ķes e o seu posterior "descarte". Seria esse descarte um aborto?

  16. Paolo Valerio Caporuscio

    Assunto aborto desde a década 1970 com este tabu sem fim, mera distração popular e o país travado.

    Responda
  17. Ricardo Valle Aleixo

    H√° que se separar a ordem social da privada. A social √© aquela que afeta o todo, ou seja, regras que fazem com que o conv√≠vio humano seja poss√≠vel, com o menor sofrimento para todos.A privada n√£o diz respeito a ningu√©m mais que o(s) indiv√≠duo(s) envolvido(s). Casamento homoafetivo, aborto, e algumas outras pautas s√£o dessa esfera. Nela as regras de grupo n√£o devem prevalecer. No caso do aborto a quest√£o social √© de demanda do sistema de sa√ļde, nada mais. As religi√Ķes n√£o tem a ver com o assunto

    Responda
    1. Ricardo Arantes Martins

      Aleixo, concordo com voc√™ em g√™nero n√ļmero e grau. Mas a quest√£o que est√° em baila no Supremo √© a "Descriminaliza√ß√£o" o que j√° seria um avan√ßo. Dar for√ßa de lei ao aborto s√£o outros quinhentos que seria de "demanda no sistema de sa√ļde". Mas aqui √© tudo devagar e um passo de cada vez.

  18. NACIB HETTI

    Ninguém discute a realidade. A mulher que tem grana faz aborto no exterior; quem não tem faz de qualquer jeito, joga o feto no mato e vai morrer de hemorragia.

    Responda
  19. Carla C Oliveira

    Muito bem colocado, Lygia.

    Responda
  20. Marcos Benassi

    Lygia, prezada, texto e argumentos excelentes, agradeço. Nesses termos, a discussão - se acharmos o caminho adequado, evidente - avança. Muito grato.

    Responda
    1. Ricardo Arantes Martins

      Pola Benassi que papo é esse de praia. não não não, nesse pusta calor o certo é ficar em em são paulo. No centro em apoio a todos os trabalhadores que lá se encontram. praia. que sassanagem e digo isso sem nem um tantim de inveja. Tantão heheeh.

    2. Marcos Benassi

      Eita, caros colegas, que essa foi uma discuss√£o pela qual agrade√ßo. Inda vou olhar essa p√°gina por uns dois dias, digerindo com cuidado as pondera√ß√Ķes, porque relevantes. Eu t√ī meio devagar, numa quebrada de praia, resolvendo muitas e muito mais concretas coisas do que me √© usual. Desacostumei a pegar no pesado, essa √© uma parte da hist√≥ria!

    3. Alberto Melis Bianconi

      Se n√£o me engano, o que pode estar acontecendo, o aborto √© crime sempre. Mas, em alguns casos, n√£o est√° sujeito a puni√ß√£o. Na pr√°tica, aparentemente, tanto faz, mas seria um avan√ßo real se garant√≠ssemos a realiza√ß√£o do aborto nos casos previstos. Sem manifesta√ß√Ķes alopradas quando se busca o procedimento.

    4. Ricardo Arantes Martins

      Carro Benassi, diria que mais ou menos. O que o STF tr√°s a baila √© apenas e t√£o somente a descriminaliza√ß√£o, n√£o falando em dar for√ßa de lei ao aborto com aparato nas redes p√ļblicas ou particulares, mas que j√° √© um avan√ßo. A discuss√£o em prol do aborto, do direito das mulheres ou feto, vida, passar√° por essa discuss√£o que √© muito mais ampla. Mas no Brasil √© assim, uno passito de cada vez, mas bem ito mesmo. Essa quest√£o est√° na pauta do STF h√° 06anos. Vamos ver.

  21. Ricardo Arantes Martins

    Eu sou contra o aborto. Mas a questão que está em baila é deixar de ser crime e a descriminalização se faz necessária na medida em que os abortos continuarão a ocorrer quer seja crime ou não. São 500mil abortos ano praticados e muitos causam a morte da mulher ou deixam sequelas permanentes ou não até mesmo em nível psicológico. As mulheres deixam de procurar ajuda médica pelo fato de ser crime e a vida que já está entre nós tem prevalência.

    Responda
    1. Marcos Benassi

      Hahahahah, meu caro, tava na praia trabalhando que nem burrro tocando pedra de m√≥: *tentando* fazer um gerador velho funcionar e *conseguindo* fincar no telhado uma anteninha de sat√©lite do seu Alm√≠scar, pra gozo internetal de meus h√≥spedes no para√≠so do Saco do Mamangu√°. Brimo breciza faz√™ negoc√≠nia, j√° que meu futuro econ√īmico depende de meu proxenetismo de casinha na praia. Mas tava menos infernal, de fato.

    2. NACIB HETTI

      Isso mesmo Ricardo. Só que ninguém quer falar sobre a realidade.

  22. Alberto Melis Bianconi

    Argumento elaborado, mas tolo. Faltei na aula sobre o filósofo austríaco (chique, né?), mas duvido que concordaria. O problema não é de linguagem, todo mundo sabe o que é, concretamente, um aborto. O que não entendemos é a vida. Não dá para simplificar na definição dos termos. Também a ciência nada tem a dizer sobre por enquanto. Mas não acho que devemos nos paralisar diante do mistério, como se fosse sagrado. Critérios mal fundamentados é o que resta. Concordo com o voto de Rosa Weber.

    Responda
    1. Alberto Melis Bianconi

      Caro Benassi, nada contra a colunista. J√° a elogiei outras (poucas) vezes. E depois de escrever me dei conta de que o mist√©rio mais importante aqui √© a origem do nosso julgamento moral e, talvez, a teoria da evolu√ß√£o possa jogar uma luz... Mas continua dif√≠cil e n√£o se presta √† simplifica√ß√Ķes que possam ser ensinadas √† plebe do alto de uma c√°tedra.

    2. Marcos Benassi

      Ah, Alberto, voc√™ chamou a aten√ß√£o pra uma coisa que minha surpresa com a qualidade geral do artigo acabou obscurecendo: reduzir a fric√ß√£o de perspectivas a um fen√īmeno lingu√≠stico √© deixar de fora partes relevantes da discuss√£o. Eu agrade√ßo sua agudeza. Mas foi a primeira vez que fiquei *feliz* com um texto da articulista, entusiasmei.

  23. João Vergílio Gallerani Cuter

    Essa √© a melhor linha argumentativa. Se algu√©m pensa seriamente que aborto √© assassinato em qualquer caso, obriga-se a defender pena m√°xima para quem toma a p√≠lula do dia seguinte ou usa DIU. A quest√£o √© ¬ďquando ¬ď. E a resposta envolve necessariamente uma conven√ß√£o. Quatro meses de gesta√ß√£o parece razo√°vel. Depois disso, s√≥ com risco de vida.

    Responda
  24. Rodolfo Smaran

    Somente as mulheres deveriam votar num plebiscito sobre o tema.

    Responda
    1. Rosana Zucolo

      Concordo plenamente! O assunto é polêmico, delicado e é extremamente irritante ver homens decidindo sobre o que as mulheres podem ou não fazer. Desculpem o pensamento imediato, mas realmente...se homens pudessem parir, o aborto já estaria descriminalizado.

  25. Amarildo Caetano

    Não se deve mudar a lei do aborto ,ele deve ocorrer só em caso de estupro ou risco de vida para a mãe.Hoje em dia há vários métodos contraceptivos ,não é correto interromper uma vida ou uma futura vida .

    Responda
    1. Luiz Candido Borges

      De fato, a prevenção é prioridade, mas acidentes acontecem... Antes disso, a prioridade absoluta é a educação: como cobrar atitudes preventivas de pessoas que ignoram como fazê-lo? Ah, você se esqueceu de mencionar os fetos anencéfalos.

    2. DEBIE DOS SANTOS BASTOS

      Concordo plenamente. Faz-se necess√°rio ter uma vida sexual mais respons√°vel tanto para evitar uma gravidez indesejada quanto as DSTs. Acredito tbem na import√Ęncia de educa√ß√£o sexual nas escolas.

  26. Anete Araujo Guedes

    Em um pa√≠s subdesenvolvido como o nosso, as transforma√ß√Ķes custam a acontecer. Talvez sejamos um dos √ļltimos a decidir pela descriminaliza√ß√£o do aborto, como foi com a aboli√ß√£o da escravatura, a lei do div√≥rcio etc. Seguimos com a matan√ßa das mulheres ¬ďem defesa da honra¬Ē, em defesa do feto. No passado era o culto √† virgindade, ao v√©u para entrar na igreja¬Ö o veto √† alfabetiza√ß√£o, ao prazer, ao desejo, a autonomia, a cidadania, ao direito a votar, a ter uma profiss√£o¬Ö. Tudo √© com muita luta¬Ö

    Responda
    1. ENNIO BALDUR HAMMES SCHNEIDER

      Anete, resumiste perfeitamente no coment√°rio "a caminhada".

  27. Felipe Vasconcelos

    Muito esclarecedor. Independentemente da convicção da colunista, ela foi capaz de mostrar, com uma clareza solar, a perspectiva de ambos os lados.

    Responda
    1. Luiz Candido Borges

      Ricardo, que bebê? Em momento algum se falou em infanticídio. Ah, para você um óvulo e um espermatozoide que acabam de se encontrar já consiste num bebê? Então pode começar a campanha para a proibição do Diu e da "pílula do dia seguinte". Coerência!

    2. Ricardo Zuppo

      Clareza solar que o futuro nenê nunca vai ver.

  28. Ricardo Luiz

    Não haverá consenso. As igrejas nunca apoiarão a descriminalização, pois entenderão a vida humana no primeiro pulsar de um coração, mas principalmente pelo fato de não incentivo ao coito fora do casamento, consensual, libidinoso. Por outro lado, a linha pró descriminalização sempre defenderá o livre arbítrio e o poder da mulher sobre seu corpo. Somente o peso da caneta do STF decidirá, mas se a descriminalização vencer, decerto haverá movimentos sociais de retaliação.

    Responda
  29. MATILVANI MOREIRA

    A mulher teria autonomia para decidir se quer o aborto, mas, alguns que defendem essa autonomia, são contra a autonomia da mulher para decidir se quer parto normal ou parto cesária. *Paradoxo ideológico*!

    Responda