Comente*

* Apenas para assinantes

coment√°rios

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

  1. JOSE EDUARDO MARINHO CARDOSO

    Realizar nossos objetivos exige mais do que apenas desejar. √Č preciso se lan√ßar ao desconhecido, enfrentar desafios e ousar ir al√©m do confort√°vel. Sair da zona de conforto pode ser assustador, exigindo que surfemos num mar de incertezas sem GPS. Mas √© nesse contexto estranho e ef√™mero que cultivamos nossa for√ßa e habilidade, expandindo esse continente chamado 'conhecido' a partir de prop√≥sitos desafiadores que nos levam a correr riscos com base na nossa presen√ßa mental, coragem e liberdade.

    Responda
  2. JOSE EDUARDO MARINHO CARDOSO

    Nossa mente se sente t√£o vulner√°vel que fabricamos muros para proteg√™-la. Da√≠ ser preciso algum trabalho interno frequente at√© mesmo para reconhec√™-los, junto com uma abordagem gentil e compassiva para derrubar cada um deles a seu tempo. Mas sempre mantendo nossos cora√ß√Ķes abertos mesmo diante de circunst√Ęncias desagrad√°veis e incertas que nos desafiam cotidianamente.

    Responda
  3. JOSE EDUARDO MARINHO CARDOSO

    Na meditação andando que fiz pela manhã surgiu o seguinte: 'Persistir na incerteza é como aprendemos a relaxar no meio do caos, pois buscamos permanecer tranquilos quando o chão abaixo de nós de repente desaparece. À medida que a vida avança, aproveitamos cada desafio para desenvolver a habilidade de encontrar o nosso ponto de equilíbrio quantas vezes for, simplesmente exercitando a nossa disposição de surfar na incerteza'.

    Responda
    1. JOSE EDUARDO MARINHO CARDOSO

      Al√©m do vi√©s da ilus√£o de controle que vem embutido na mente humana, vivemos numa cultura que agrava esse vi√©s. Contudo, nesta vida a incerteza √© regra e a certeza exce√ß√£o. No livro Aonde Quer Que Voc√™ V√°, √Č Voc√™ Que Est√° L√°, Jon Kabat-Zinn fala sobre um p√īster onde Swami Satchidananda, com a barba branca e a t√ļnica ao vento, est√° numa prancha, surfando as ondas de uma praia no Hava√≠, cuja legenda diz: ¬ďVoc√™ n√£o pode parar as ondas, mas pode aprender a surfar.¬Ē

    2. Mirian Goldenberg

      Difícil surfar na incerteza

  4. Paolo Valerio Caporuscio

    Seu texto foi removido porque infringe as regras de uso do site.

  5. JOSE EDUARDO MARINHO CARDOSO

    No Budismo, h√° uma narrativa que diz que os peixes nadam num mar ca√≥tico que n√£o podem controlar. Eles n√£o t√™m a ilus√£o de que controlam as correntes mar√≠timas, outros seres marinhos ou se v√£o ter o que comer. Eles nem mesmo tentam controlar onde v√£o parar ¬Ė apenas avan√ßam, seja acompanhando o fluxo ou lidando com o fluxo conforme √©. Eles nadam, comem, se protegem e acasalam, mas n√£o tentam controlar nada. Mas, diferente dos peixes, a mente de algumas pessoas cria a ilus√£o de controle, por que?

    Responda
  6. JOSE EDUARDO MARINHO CARDOSO

    O paradoxo do controle √© que quanto mais tentamos controlar tudo, mais acabamos por perd√™-lo. A verdade √© que muitas coisas na vida est√£o al√©m do nosso controle. N√£o podemos controlar o clima, as a√ß√Ķes dos outros ou mesmo o que eles nos dir√£o. Da√≠ incorrermos na ilus√£o de controle, pois acreditamos que temos maior controle sobre os eventos do que realmente temos. Mesmo quando algo √© uma quest√£o de acaso, muitas vezes humanos sentem que este pode ser influenciado de alguma forma.

    Responda
    1. JOSE EDUARDO MARINHO CARDOSO

      Aleatoriedade √© apenas desconhecimento. O mundo √© opaco e as apar√™ncias enganam. Nossa cegueira em rela√ß√£o √† aleatoriedade √© frequente. Da√≠ o c√©rebro humano √†s vezes inverter a seta da causalidade, j√° que n√£o distingue facilmente as nuances probabil√≠sticas (ele recorre ao supersimplificador ¬ďtudo ou nada¬Ē).

    2. JOSE EDUARDO MARINHO CARDOSO

      Infelizmente, n√£o somos fabricados para compreender quest√Ķes abstratas ¬ó precisamos de contexto. Aleatoriedade e incerteza s√£o abstra√ß√Ķes. Respeitamos o que aconteceu, ignorando o que poderia ter acontecido. Em outras palavras, somos naturalmente rasos e superficiais ¬ó e n√£o sabemos disso¬ó, ingenuamente satisfeitos com a nossa pressa para apontar uma ou duas causas para um dada situa√ß√£o.

  7. RUI DE SOUZA

    Cara Dra Mirian, estou com a senhora. Sigamos em frente. Gentileza sempre gera gentileza. Um beijo.

    Responda
    1. Mirian Goldenberg

      Sempre Rui

  8. JOSE EDUARDO MARINHO CARDOSO

    √Č natural termos dificuldade em identificar os fatores que determinam uma situa√ß√£o, incorrendo em interpreta√ß√Ķes precipitadas, emotivas e equivocadas ainda mais quando alguns deles s√£o aleat√≥rios. A evolu√ß√£o do c√©rebro humano o tornou muito eficiente no reconhecimento de padr√Ķes, mas mal adaptado para lidar com situa√ß√Ķes que envolvem incerteza ou acaso. (1/2)

    Responda
    1. JOSE EDUARDO MARINHO CARDOSO

      Dada uma certa situação, não seríamos apenas um entre os muitos fatores que a determinariam?! Afinal, as causas dessa situação não são tão óbvias e visíveis, ficando ocultas como as raízes de uma árvore, o que nos levaria a questionar: Quão relativo é o nosso grau de influência na produção de um resultado? Ou sempre somos um fator determinante? (2/2)

  9. carlos cardillo

    Mirian, concordo com voc√™ que est√° faltando gentileza e educa√ß√£o em nosso meio, mas discordo que isso tenha come√ßado ou piorado na pandemia. Essa divis√£o do "n√≥s" versus "os outros" come√ßou ainda nos governos de esquerda, e foi brutalmente acentuado quando a extrema direita assumiu o poder com suas pautas 'bbb - bala, boi e b√≠blia". √Č muita gente sem no√ß√£o de civilidade falando bobagens de todo tipo. Haja paci√™ncia. Melhor ficar longe.

    Responda
    1. Mirian Goldenberg

      Mas piorou muito agora

  10. Rafael Faria

    Muito triste. Excesso de redes sociais e ansiedade andam de m√£os dadas e geram pessoas violentas e intolerantes.

    Responda
    1. Mirian Goldenberg

      Muito triste

  11. Rafael Faria

    Muito triste. Excesso de redes sociais e ansiedade andam de m√£os dadas e geram pessoas violentas e intolerantes.

    Responda
    1. Mirian Goldenberg

      Triste

  12. adenor Dias

    Infelizmente vou discordar do profeta gentileza! Nos dias de hoje, gentileza gera exploração. Fora as vendedoras de lojas, que são treinadas para conquistar clientes, só encontramos brucutus nas ruas. Um gentil hoje, é como uma ovelha com a perna quebrada para o lobo. Eu por exemplo, se a pessoa é gentil comigo, sou gentil também porém se é estupida, sou estupido na mesma medida. Dependendo da hora, não sei como me classificar...

    Responda
  13. adenor Dias

    Infelizmente vou discordar do profeta gentileza! Nos dias de hoje, gentileza gera exploração. Fora as vendedoras de lojas que são treinadas para conquistar clientes, só encontramos brucutus nas ruas. Um gentil hoje, é como uma ovelha com a perna quebrada para o lobo. Eu por exemplo, se a pessoa é gentil comigo, sou gentil também porém se é estupida, sou estupido na mesma medida. Dependendo da hora, não sei como me classificar...

    Responda
  14. JOSE EDUARDO MARINHO CARDOSO

    Sair do Rio: melhor op√ß√£o. A qualidade de vida da cidade despencou faz tempo e foi fortemente impactada pela cultura da viol√™ncia e a corrup√ß√£o. A seguran√ßa p√ļblica no Rio s√≥ existe no papel, de que adianta criar Seguran√ßa Presente nos bairros se os agentes sofrem do mal da tela - vivem com a cara nos celulares. As condutas violentas foram normalizadas pois impera a ideologia de que todo cidad√£o tem que ter arma. A cultura da viol√™ncia √© refor√ßada pelos meios de comunica√ß√£o...

    Responda
    1. JOSE EDUARDO MARINHO CARDOSO

      Quando chega sexta-feira vou para um s√≠tio onde mergulho nos meus livros, cuido das plantas e da horta, escuto m√ļsica e fa√ßo minhas medita√ß√Ķes...L√° pouco uso a Internet, caminho bastante e aproveito a natureza...No Rio, curto cinema e shows mas bem menos do que fazia antes, sou muito caseiro...

    2. JOSE EDUARDO MARINHO CARDOSO

      No Rio de Janeiro, a cultura da viol√™ncia marca forte presen√ßa na maneira de pensar, na linguagem e na a√ß√Ķes cotidianas, basta ver a incid√™ncia de preconceitos, conflitos e mal-entendidos. Os cariocas s√£o estimulados por diferentes fontes t√≥xicas (m√≠dias, intera√ß√Ķes sociais, alimenta√ß√£o etc.) a serem reativos, deixando de lado o espa√ßo para o di√°logo e assim n√£o existe a boa argumenta√ß√£o nem a 'negocia√ß√£o' que beneficia a todos.

  15. ALEXANDRE Cunha

    Esqueci de escrever, aqui √© nova Ven√©cia, nova Veneza, virou nova Ven√©cia, terra de do jogador da sele√ß√£o brasileira,Richarlison, inclusive temos v√°rios idosos acima de noventa anos trabalhando, com muita sa√ļde.

    Responda
    1. Mirian Goldenberg

      Adorei

  16. ALEXANDRE Cunha

    Venha morar no interior do ES, aqui temos praias belíssimas, o povo é educado, cordial, hospitaleiro, cooperativista e todos se ajudam mutuamente, a criminalidade é baixa, a polícia é rápida, você trabalha home Office e vai adorar, setenta porcento da população são descendentes de italiano e alemão, povo super trabalhador. Abraços.

    Responda
    1. Mirian Goldenberg

      Muito obrigada pelo gentil convite

  17. filipe moura lima

    Muitos pensavam que a pandemia nos deixaria mais civilizado, mas não. O que me anima é ainda ter gente por perto, como temos a professora Mirian aqui.

    Responda
    1. Mirian Goldenberg

      Est√° cada vez pior, Filipe

  18. Galdino Formiga

    Infelizmente excesso de gentileza não gera gentileza. As pessoas ignoram ou acham que é coisa de velhos.

    Responda
    1. carlos cardillo

      √Č bem isso Galdino. Seja gentil, principalmente com um jovem. Ele pensar√° que voc√™ quer algo dele, ou √© mais um boc√≥ saudando e reconhecendo o "mais bem preparado". Afinal ele √© t√£o bom que merece ser reverenciado, e n√£o se d√° nem o luxo de agradecer.

    2. filipe moura lima

      Isso mesmo

  19. Ronaldo Pereira

    Mirian, boa noite! vou sugerir a voc√™ e a quem se interessar umas dicas de quem j√° passou dos 70; para n√£o passar por situa√ß√Ķes dif√≠ceis como essas que voc√™ citou no artigo adoto os seguintes princ√≠pios:- cheguei em um lugar onde h√° pessoas barraqueiras, viro as costas e sigo pra outras bandas; cheguei em um lugar cheio de gente que podem me aborrecer, idem, saio fora; em fim evito estar com pessoas maledicentes, mau car√°ter, mau humoradas e afins, mesmo que seja uma irm√£! E vida que segue!

    Responda
    1. Mirian Goldenberg

      Vida que segue

  20. Gustavo Aguiar Fernandes

    Neoliberalismo n √© s√≥ economia, mas modo de reprodu√ß√£o da vida. 40 anos refor√ßando a tend√™ncia natural capitalista de fomentar a individualiza√ß√£o (em todas as dimens√Ķes humanas). Parte do msm processo, a globaliza√ß√£o uniformizou sociedades e mandou √†s favas a transmiss√£o de ensinamentos antes preciosos pelas gera√ß√Ķes. Os netos n√£o formam o msm povo que os av√≥s. A cereja √© a virtualiza√ß√£o da vida e sua capacidade de desintegrar em tribos todo social j√° deteriorado. Tudo isso num pa√≠s violento¬Ö.

    Responda
    1. Mirian Goldenberg

      Triste

  21. Tania Ferreira

    Foi reconfortante ler o desabafo da Miriam;pensei que fosse a √ļnica a sentir-me desrespeitada quase o tempo todo por indiv√≠duos rudes, narcisistas e arrogantes que transitam pela cidade sem se importar o quanto de seus comportamentos colocam a integridade f√≠sica de outros em risco. Talvez uma campanha educacional nacional sobre cidadania e civilidade possa ajudar que estas pessoas aprendam o que n√£o aprenderam na vida: o seu direito termina onde come√ßa o do outro.

    Responda
    1. Mirian Goldenberg

      Est√° cada vez pior infelizmente

  22. JOSE EDUARDO MARINHO CARDOSO

    Cada um de n√≥s tem ¬ďbot√Ķes¬Ē ¬Ė √°reas onde somos sens√≠veis. Quando nossos bot√Ķes s√£o pressionados, perdemos o controle, culpando algu√©m por nos perturbar. Mas ficar chateado √© um processo que surge de forma dependente. N√≥s contribu√≠mos com os bot√Ķes e a outra pessoa pressiona. Nossos bot√Ķes s√£o nossa responsabilidade. Enquanto os tivermos, algu√©m ir√° empurr√°-los, especialmente porque s√£o grandes, vermelhos e piscantes.

    Responda
    1. Mirian Goldenberg

      Infelizmente, sempre tem alguém para empurrar

    2. JOSE EDUARDO MARINHO CARDOSO

      'Haters' buscam desenvolver a habilidade de identificar os bot√Ķes mais sens√≠veis em cada pessoa, assim criam conflitos que causam a divis√£o de opini√Ķes. Eles geralmente n√£o atacam sozinhos, h√° aqueles que entram nos grupos atacados por eles para fortalecer um subgrupo e atacar outros subgrupos...

  23. Marcus Acquaviva

    Professora, sou adepto do lema "me trate bem, e te tratarei ainda melhor. me trate mal, e te tratarei ainda pior". Fosse comigo o episódio dos óculos, a galerinha fina, sincera e elegante teria que se cotizar e me dar um par novo. Nem que fosse na porrada. Não gostaria que fosse assim, mas não há como ser diferente.

    Responda
    1. Mirian Goldenberg

      Marcus, eu ainda estou no exercício diário de gentileza gera gentileza

  24. Neucir Valentim

    Creio que os brasileiros sempre foram violentos, mas enrustidos, depois das Redes Sociais, a violência se estabeleceu publicamente, além da polarização política.

    Responda
    1. Mirian Goldenberg

      Verdade

  25. Tadeu Humberto Scarparo Cunha

    Cara Mirian texto perfeito sobre os novos tempos, onde a civilidade já foi chutada pro espaço é um país onde a velhice é considerada uma doença, e 90 % dos cariocas não tem a mínima ideia de quem foi o senhor Gentileza.

    Responda
    1. Mirian Goldenberg

      Infelizmente, Tadeu. Cada vez pior

  26. Ronaldo Pereira

    Quem vive em grandes cidades tem que ter em mente quando sai de casa que encontrará um monte de gente louca, doente e sem noção pela frente. Previna-se portanto e nunca espere nada de bom dessa gente!

    Responda
    1. Mirian Goldenberg

      Muito triste e cada vez pior

  27. José Augusto Bernabé

    A Pandemia virou tudo de cabeça para baixo e expos quem é quem na terrinha, os que cultuam a Corrupção e sempre foram vingativos e recalcados e os que são absolutamente contra, por enquanto os primeiros venceram, fraudulentamente mas venceram, o caos do governo medíocre atual vai deixar todos, eles e nós, trancados dentro de nossas Casas pois a Corrupção e o Crime estão a espreita.

    Responda
  28. Laudgilson Fernandes

    Hoje estava me lembrando que quando jovem ia ao Maracanã e por falta de grana, ingreeso para a famosa Geral. Ali se misturava todos flamenguistas, vascainos, tricolores, botafogueneses e a boa rolava. Pouquíssimas brigas aconteciam ,coisa rara mesma. Hoje, mortes, pancadarias, e outras violências inimagináveis. O que está havendo? O Rio está cada dia perdendo o seu charme de povo amigo, parceiro, maneiro...hoje é só medo e dsconfiança.

    Responda
    1. Luiz Roberto silveira piloto

      Verdade.. fiquei impressionado qdo vi um video no canal Brasil mostrando a geral do Maraca em um dia de chuva.. todos com aqueles guarda-chuvas grandes com ponta de metal ¬Ö

    2. Mirian Goldenberg

      Muito triste

  29. Mário Sérgio Mesquita Monsores

    Nada diferente de sampa. Megalópole. Tem q estar sempre atento e forte.

    Responda
    1. Mirian Goldenberg

      Coragem e gentileza

  30. Mário Sérgio Mesquita Monsores

    Mestra. Q a Sra me desculpe. Gentileza. Tem q pesquisar mais sobre esse personagem. Em segundo Rio não é São Paulo. Essa semana recebi uma amiga do interior do Brasil. Capital com menos de um milhão de habitantes e a primeira coisa q falei. Não saia de casa sem mim. Fomos à praia. Andando na beira da água. Veio uma dessas bolas. Coloquei a mão na frente e impedi q acontecesse com ela o q aconteceu com a Sra. Ela com cara de espanto me perguntou. Como vc percebeu ? Aq no Rio vc tem q estar ligado

    Responda
    1. Mirian Goldenberg

      Muito ligado

  31. Gerlane Souza

    Acho que as pessoas est√£o com zero paci√™ncia com o pr√≥ximo, quando somos educados, gentis, parece que ficam chateadas, √© um peso! No tr√Ęnsito houve uma piora impressionante! N√£o respeitam as leis de tr√Ęnsito, ocupam 2 pistas como se fossem √ļnica, d√£o fechadas perigosas, n√£o sinalizam pra onde est√£o indo ou ao mudar de pista, por isso, o n√ļmero de mortes est√° pior que em 2015. "N√ļmero de mortes no tr√Ęnsito da cidade de SP √© o maior desde 2015 Em 2023 quase mil √≥bitos foram registrados";

    Responda
    1. Mirian Goldenberg

      Cada vez pior

  32. sergio lima oliveira

    Mirian, sempre √≥tima! Sentimentos afloram quando lemos teus textos. Tamanho realismo em tuas descri√ß√Ķes. J√° aguardo a pr√≥xima¬Övaleu Mirian.

    Responda
    1. Mirian Goldenberg

      Que lindo, Sergio. Já estou escrevendo a próxima

  33. JOS LEANDRO

    olá Professora Mirian Goldenberg! Espero a sua coluna na FSP com a mesma expectativa da canção cantada pela Silvia Telles "Sábado em Copacabana!

    Responda
    1. Mirian Goldenberg

      Adorei Leandro

  34. BRUNO ETTORE PAVAN

    Volte São Paulo, é um conselho antes tarde do que nunca acredito que você demorou a ver a real essência do povo carioca.

    Responda
    1. Mirian Goldenberg

      N√£o vou voltar para S√£o Paulo, n√£o

  35. JOSE EDUARDO MARINHO CARDOSO

    Podemos usar uma ferramenta para o bem ou para o mal e o mesmo ocorre com a Internet. H√° pessoas que usam as redes sociais para prop√≥sitos nocivos, entram em grupos e disseminam discursos violentos e que geram desarmonia pois assim elas tiram v√°rias vantagens com isso. Para elas √© uma habilidade como outra qualquer: viol√™ncia gera viol√™ncia. Em ano de elei√ß√Ķes, muitas s√£o contratadas para fazer isso, visando a manipula√ß√£o das opini√Ķes.

    Responda
    1. Joel Domingos

      Essa lógica budista é um incentivo a quem já é mau continuar assim. Ele dirá: Buda aprova!

    2. JOSE EDUARDO MARINHO CARDOSO

      Fora a situação acima dos 'haters' de ocasião ou dos contratados pra isso. A gentileza pode vir disfarçada de indiferença, antipatia, censura, irritação e xingamento e a tendência é não reagirmos bem nesses casos. Na visão budista, quem nos trata mal é muito gentil conosco, pois nos oferece a oportunidade de aprimorar as boas qualidades que temos no coração: bondade/gentileza, compaixão, regozijo, paciência, empatia, escuta atenta, fala amorosa etc.

    3. Mirian Goldenberg

      Verdade, ódio gera ódio

  36. Juliana Andrade

    Nossa sociedade está atrapalhada com o que é ser gentil... Uns confundem gentileza com adulação (uma colega me disse "puxa o saco deles que tudo melhora"). Outros acham que ser educado é sinal de fraqueza (conheço homens que jamais dizem "por favor" nem "obrigado"). Denise Fraga rimou firmeza com gentileza... Gosto de pensar que o ser gentil é a evolução do ser humano.

    Responda
    1. Mirian Goldenberg

      √Č uma escolha di√°ria e trabalhosa em tempos de tanta viol√™ncia

  37. vinicius pizzi

    √Č a mais pura verdade sua reflex√£o. N√£o creio que tenha sido a pandemia, mas a tecnologia/redes sociais/celulares tem potencializado e amplificado a ignor√Ęncia, a estupidez e a trucul√™ncia das pessoas, que est√£o se tornando a cada dia mais zumbis sem sentimento.

    Responda
    1. CARLOS ALEXANDRE PERGER

      Uma das consequências é que adoecemos.

    2. Mirian Goldenberg

      Causa ou consequência? Está cada vez pior

  38. José Cardoso

    Eu reconheço o valor de um boa dia ou boa tarde, mas frequentemente me esqueço disso. Recentemente perguntei 'na lata' a um vendedor num quiosque na praia: - O latão é sete? (era o que tinha no bolso). Ele me olhou como se não entendesse, e depois de eu repetir, me deu um boa tarde. Só aí me toquei que tinha omitido a saudação protocolar.

    Responda
    1. Mirian Goldenberg

      √Č um exerc√≠cio di√°rio

    2. Mirian Goldenberg

      Procuro nunca esquecer

  39. Bento Pequin

    Bom dia. Mirian. Um prazer ler sua coluna. Tenho 56 anos e seus textos tem colaborado com minhas perspectivas sobre a idade e a suas experiências. Esta semana dei um basta em uma relação familiar tóxica pós pandemia e resolvi voltar para o grupo familiar de WhatsApp. Alguns membros não mudaram o comportamento e são negacionistas de carteirinha e postam coisas horríveis e mal educadas. Não discuto, só vejo até o momento de sair de vez do grupo. Ali, todos amam os que pensam igual. Um horror!!

    Responda
    1. Mirian Goldenberg

      A intoler√Ęncia √© o mal do s√©culo

  40. Bento Pequin

    Bom dia. Mirian. Um prazer ler sua coluna. Tenho 56 anos e seus textos tem colaborado com minhas perspectivas sobre a idade e a suas experiências. Esta semana dei um basta em uma relação familiar tóxica pós pandemia e resolvi voltar para o grupo familiar de WhatsApp. Alguns membros não mudaram o comportamento e são negacionistas de carteirinha e postam coisas horríveis e mal educadas. Não discuto, só vejo até o momento de sair de vez do grupo. Ali, todos amam os que pensam igual. Um horror!!

    Responda
    1. Mirian Goldenberg

      Falta de empatia, delicadeza e generosidade. Nossa, cada vez pior

  41. JOSE EDUARDO MARINHO CARDOSO

    Na verdade, se examinarmos diferentes momentos do nosso cotidiano, lá encontraremos alguma gentileza alheia. Quantas pessoas foram gentis conosco até hoje, tem os nossos parentes, mas outras pessoas direta/indiretamente também nos ensinaram a andar, a cuidar da higiene pessoal, a falar e ouvir, a ler e escrever, a tomar remédios quando doentes, a dizer 'obrigado', 'perdão e 'desculpe', enfim, a lista é interminável. Ouso dizer que não estaríamos vivos sem a gentileza cotidiana que nos cerca.

    Responda
    1. JOSE EDUARDO MARINHO CARDOSO

      Não chegamos ao fim de cada dia sem ter recebido alguma gentileza, seja ela humana ou de um outro animal. Alguém nos cedeu a vez, nos desejou 'bom dia', nos serviu um lanche maravilhoso, nos recebeu bem numa loja, desejou uma boa semana no ZAP, nos criticou quando precisávamos, nos deu uma mordidinha carinhosa, disse aquele palavra forte na hora certa, nos fez ser paciente/compassivo/empático...Procure e você sempre vai achar gentileza à sua volta !!

    2. Mirian Goldenberg

      Acho que gentileza tem muita relação com generosidade. Vivemos tempos egoístas

    3. JOSE EDUARDO MARINHO CARDOSO

      A gentileza √© como um v√≠rus benigno que se multiplica √† medida que infecta aqueles que n√£o lhe oferecem resist√™ncia, os mais receptivos n√£o o transmitem apenas com palavras e a√ß√Ķes gentis, mas tamb√©m o fazem com palavras e a√ß√Ķes compassivas e de regozijo. No Budismo, a gentileza √© a base das qualidades do cora√ß√£o (bondade amorosa, compaix√£o, regozijo etc.), da√≠ budistas a reconhecerem e cultivarem regularmente em suas medita√ß√Ķes.

    4. Mirian Goldenberg

      Cada vez mais rara

  42. CARLOS ALEXANDRE PERGER

    Cara Mirian, que relatos dolorosos seus √ļltimos artigos. N√£o naturalizar essas viol√™ncias √© um exerc√≠cio di√°rio. Somos potencialmente vulnerabilizadas por comportamentos hostis que sempre se reinventam. O alcance de suas palavras atinge um comum compartilhado. Coragem para viver. Gratid√£o.

    Responda
    1. Mirian Goldenberg

      Coragem e gentileza, Carlos

  43. Gaya Becker

    Oi querida Mirian. Na minha percep√ß√£o as pessoas j√° foram mais gentis. De uns anos para c√°, pol√≠ticos brigam e dizem palavras de baixo n√≠vel no congresso e c√Ęmaras estaduais e municipais Brasil a fora. Isso se alastra pelas redes sociais que √© terra de ningu√©m, TVs e todos os meios de comunica√ß√£o. As pessoas liberam a censura e passam a fazer a mesma coisa. √Č um efeito espelho. Se algu√©m reclamar, a defesa √© a tal liberdade de express√£o, que fundiu-se com liberdade de agress√£o, literalmente!

    Responda
    1. Mirian Goldenberg

      Como podemos mudar essa triste realidade?

    2. Mirian Goldenberg

      Liberdade para ser gentil

  44. LEO NASCIMENTO

    Quem é do Rio e circulava pelo centro sabe que Gentileza era perseguidor das mulheres .Se elas tivessem de minissaia era um verdadeiro inferno.Pergunte a Heloisa Seixas

    Responda
  45. Adauto Lima

    Isso vem de muito tempo. Bem antes da pandemia. Está cada ano pior. As calçadas viraram pista de colisão proposital entre pedestres. E espaço livre para bikes, skates e até motos.

    Responda
    1. Mirian Goldenberg

      Cada vez mais difícil ser gentil