Comente*

* Apenas para assinantes

comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

  1. Giselle Morais

    O álcool não faz nenhuma falta. Esteve ali sempre pra preencher o vazio… mas quando se deixa de ter medo desse vazio, o álcool deixa de interessar. Ainda acontece (cada vez menos) de me sentir excluída de situações sociais por não beber mais. Mas prefiro imensamente isso a continuar encenando estar me divertindo.

    Responda
  2. Ricardo Botto

    Cerveja sem álcool não é cerveja. Vinho sem álcool não é vinho. Hamburger de soja com gosto de carne e bacon não é hambúrguer.

    Responda
  3. Nilton Silva

    Sóbrio curioso é bem melhor que o termo em inglês. Deixemos o complexo de vira lata de lado. E como diria meu caro amigo Chico Buarque, sem a cachaça ninguém segura esse rojão.

    Responda
  4. Wilerson Bessa

    Excelente notícia! E não custa sonhar que, um dia, a propaganda do álcool será proibida. Com o cigarro parecia impossível, mas aconteceu.

    Responda
  5. Edson José Neves Júnior

    Essa "geração saúde" - uns jovens que vivem deprimidos, não querem trabalhar e tem como meta virar influencer, entende que se privar de hábitos como o de beber socialmente garantirá mais anos de vida. Nada mais longe da verdade. Ademais, ninguém é imortal.

    Responda
  6. Edson Braga

    Pra aguentar tanta pressão, imposto, insegurança, corrupção, etc... só tomando uma de vez em quando. Isso pra não ir pro Rivotril.

    Responda
  7. Paulo César de Oliveira

    Regra geral, o mundo e as pessoas ficam mais interessantes com um pouco de álcool. A humanidade consome álcool há milhares de anos e assim vai continuar. Essas modas são passageiras. Como fazer uma festa sem álcool e música?

    Responda
  8. Beatriz Leone Constantino

    A romantização do consumo de álcool nesses comentários tá uma loucura

    Responda
    1. Marcos Benassi

      Muita piada, Beatriz, mas romantização, não... Há inúmeras observações muito sérias.

  9. Marcos Benassi

    Hahahah, depois do cartum do Montanaro, minha segunda gargalhada do dia (a dele, na verdade, foi ainda na madruga): essa coluna é rebelde! Hahahahah! Pô, deu o maior Ibope, muito mais do que tecnologia e sociedade. Desde a pandemia, eu já busco botar o biritismo sob controle, até com medicamento, pelas razões que você aponta, Ronaldo. Mas inglês, em pub, não pedir birita... Rapá, em Brighton, depois das dez, mindava até meda da horda de estudante bêubo que era posto pra fora dos pubs. Milagre!

    Responda
  10. Wilson Bazzani

    Faz mal.. mas o governo ganha muito com impostos.

    Responda
  11. Herculano Oliveira Neto

    Não sei se gastar menos é um fator; os drinks não-alcoólicos com xarope de gengibre e açúcar orgânico, a cerveja zero e mesmo a água mineral da fonte com pH 6.9 deixam qualquer conta salgada..

    Responda
  12. Eduardo Reyes

    Aderi a essa moda e fiquei metade do ano passado sem beber: bebia dia sim, dia não!

    Responda
    1. jose carlos toledo junior

      Kkkkkk.

    2. Marcos Benassi

      Essa idéia é excelente, merece até acento agudo: a gente diminui o tranco da birita no organismo e não sente tanta falta. Agora esculhambei de novo, mas já adotei. Meio ano sem beber! Gostei muitíssimo foi da retórica! Hahahahah!

  13. Anna Amélia Meule

    será? o brasil tem uma cultura perniciosa de beberrões. em áreas residenciais há um punhado de bares em cada esquina - o que, deveria de ser proíbido por lei. enfim, nesses barzinhos, como dizem, a homarada, sobretudo, bebe, bebe, grita alto, solta rojões etc. é um verdadeiro inferno.

    Responda
  14. Gilberto Rosa

    Primeiro tomo um drink, depois o drink toma um drink, por fim o drink me toma, Fitzgerald. Entrei em acordo com seu drink e acho que já consegui reduzir pelo menos metade da nossa dose. Vale a pena, acordo mais disposto, fico menos gripado, menos irritado com a Folha, mas tenho que me esforçar mais ainda, pra chegar no quase zero o meu dízimo ao Lemann.

    Responda
    1. Marcos Benassi

      Hahahahah, *terceira gargalhada* do dia: dízimo ao lazalento! Hahahahah!

  15. Wilson Junior

    Conheço várias pessoas que não bebem durante toda a quaresma.

    Responda
  16. PAULA FARIA

    Tá nada. Na última confra da galera da faculdade, quando disse que não ia beber, fui massacrada. Do meu lado, uma colega lamentando porque o casamento acabou em função do marido haver se tornado alcoólatra. No grupo do zap, todo fim de semana aparecem copos e latas com o famigerado "sextou". E tem um que manda é todo dia, com a desculpa de que vinho faz bem.

    Responda
    1. Marcos Benassi

      Ôôô Paula, mas vinho é alimento... E cerveja, pão líquido! Hahaha!

  17. Bruno Sebastião Neto

    Tomara que essas pesquisas estejam certas ,vejam o caso de sucesso na diminuição do cigarro ,grande exemplo á ser seguido !

    Responda
  18. Francisco Neto

    Eu aderi ao janeiro seco, mas meu fevereiro vai ser molhado.

    Responda
  19. Murilo Faria

    No Brasil um gde número não bebe álcool durante a quaresma, é uma tendência que vem aumentando, mesmo aqueles que não são católicos.

    Responda
  20. Paulo Jr

    A época em que eu mais bebi foi até começar a dirigir (faz tempo). Quase tive um acidente porque cochilei no volante após ter tomado três doses. Como não quis parar de dirigir quando saia à noite, eu nunca mais bebi mais de uma dose, e com o tempo, nem isso. Tive sorte.

    Responda
  21. Paulo Roberto

    A embriaguez, de certo modo é prazerosa... não gosto de ir num bar para tomar refrigerante, mas num restaurante até que dá.

    Responda
  22. José Davi

    Para suporta a falta de perspectiva criada pelo capital financeizado, a falta da de criatividade criada pelo capitalismo de plataforma somente muitas d. A realidade é outra, o álcool pode até ter diminuído, não creio, mas as k vem crescendo em ritmo acelerado. Nossos jovens são verdadeiros atoleimados. Sem cultura e rebeldia.

    Responda
    1. Paulo Jr

      Você deve ser uma pessoa bem triste. Sua vida não precisa ser assim, acredite. Busque informações distantes de economia e política. Pesquise sobre biologia, física informática, matemática, etc. Algum assunto menos angustiante vai despertar teu interesse, e sua vida ficará mais feliz, mesmo sem consumir álcool.

  23. Lourenço Manfredini

    O problema da pesquisa é que não dá para confiar em bêbado dizendo que está bebendo menos!!!

    Responda
    1. Marcos Benassi

      Tomara que tenha sido por escrito, e na base da múltipla escolha: imagina entrevistar os bêudo? Hahaah!

  24. Vito Algirdas Sukys

    Nos últimos anos houve uma redução de quarenta por cento no número de pubs londrinos. Várias razões explicam a diminuição. O menor consumo de álcool, a gentrificação, o aumento dos impostos, os problemas de acústica, a redução dos gastos com lazer, os casos de cirrose e problemas no fígado. Alguns pubs com dezenas de anos foram fechados. Um primo que mora no sul da Inglaterra me disse que prefere beber em casa para reduzir custos. Era frequentador assíduo dos pubs ingleses.

    Responda
    1. Marcos Benassi

      Ah, idéia luminosa e com acento agudo, caro Vito! Home-shoring ficou elegante paca. Em português, ainda tem a vantagem de que, em caso de mamação excessiva e inconveniente, faz-se um home-chore e evita-se a vergonha da choradeira pública... Hahahahaha!

    2. Vito Algirdas Sukys

      Caríssimo Marcos, meu primo trabalha montando telhados, inclusive de pubs; trabalho pesado, depois do trabalho tomava a birita favorita no pub preferido. Com o Brexit, a Inglaterra entrou em declínio econômico, offshoring deu lugar ao seu contrário, near-shoring; os preços subiram, a solução foi beber em home-shoring, nova palavra inglesa.

    3. Marcos Benassi

      Vito, tal como comentei na última coluna do Marcão, do cozinha bruta: eu estou com pouquíssima paciência pra enfrentar a humanidade em botecos. Em paralelo, bebo melhor e mais barato em casa. Tô com seu primo e não abro...

  25. Mario Garcia

    Fumar é prazeroso. Não fumar é muito mais. Beber também. Mas vai ser duro abandonar a cervejinha do final de semana.

    Responda
  26. joão moreira

    Zuzo bem, zuzo bem....

    Responda
  27. Sergio Siqueira

    Parei há 20 anos. A melhor coisa da vida.

    Responda
  28. Antonio Julio Menezes Neto

    O articulista deveria citar dados, fontes, para respaldar seu achismo. Mesmo a citação da KAM é superficial.

    Responda
  29. André Costantin

    Ah tá. Coluna rebelde...

    Responda
  30. Maria Aparecida

    Na Inglaterra pode ser, mas aqui no Brasil a realidade é outra, o que está em alta hoje é o famoso copão.

    Responda
  31. Sonia Pereira Gomes

    Vale muito a pena parar de beber.

    Responda
  32. valdir de macedo

    Não creio q no Brasil está se bebendo menos. As Mulheres, principalmente estão bebendo mais, em geral as jovens. Isso é preocupante.

    Responda
  33. Florentino Fernandes Junior

    Q bela materia! Parabens ronaldo.

    Responda
  34. Luiz Mario Vieira Souto Leitão da Cunha

    Estranho, minha percepção não é essa; vejo bares lotados, cada vez mais lojas de bebidas, e gente nos supermercados comprando muita cerveja. Mas tomara que isso seja mesmo verdade, porque o álcool é a droga lícita que mais mata.

    Responda
  35. Marcus Bauer

    Tudo com moderação é salutar. O problema do consumo da bebida alcoólica é que geralmente não é com moderação. Até água em excesso não faz bem.

    Responda
  36. BIANCA SIMAO

    Não sei, pelo menos por enquanto, não vejo essa tendência no Brasil. Mas sinceramente eu vou gostar muito quando chegar, porque acho cansativo ter sempre que me desculpar por não gostar de beber. Apenas acho que beber não me dá nenhum prazer especial, além de expor minha saúde a riscos desnecessários. Mas é apenas uma decisão individual.

    Responda
  37. Edson Paulo Lins

    Muito boa a reportagem. Só faltou incluir pessoas, como eu, que pararam o consumo de álcool por causa de doença estomacal. Eu bebia meia garrafa de vinho de segunda a sexta feira. Sábado uma garrafa e domingo duas. Fui proibido por médico. Tive que parar. A gente só para quando tem consciência do mal que a bebida alcoólica faz ao organismo.

    Responda
  38. MARCELO DAWALIBI

    Se não beber está na moda e a moda é passageira, então devemos presumir que essa moda passará? Essa discussão é mais velha do que a Idade do Bronze, mas tem sempre um pretensioso que alardeia isso como uma nova tendência e nos apresenta a um museu de grandes novidades. No século III d.C. Santo Agostinho já dizia que para alguns a abstinência total é mais fácil do que a moderação perfeita, mas para quem não conhece a história isso é uma novidade ou uma “moda”, como pensa o autor.

    Responda
  39. CESAR MONTEZUMA CARVALHO

    Acho que essa onda fitness tem muita relação com essa tendência. Mas, infelizmente, para a população mais pobre a cachaça é um dos poucos meio de diversão.

    Responda
  40. Fabio Mariano

    Ao contrario do que afirma a matéria, excelente, por sinal, muitas pessoas aderem ao janeiro seco justamente em razão do Carnaval. Dar uma secadinha na gordura, economizar ou moderar para poder ficar a vontade na folia de rua.

    Responda
  41. marcos fernando dauner

    Graças a Deus ! Não vejo a menor graça na galera que bebia até quase cair e saia "dirigindo" . Eu bebo vinho , no jantar, em casa , às 6ª f e sábados . fora de casa, apenas água mineral ou soda limonada ou guaraná Antarctica . Também não bebo aquele veneno escuro da terra do tio sam . .

    Responda
    1. Galdino Formiga

      Beber vinho diariamente é bom e saudável.

  42. Fernando Alves

    Já foi a mesma coisa com o cigarro, agora com o álcool. Até que enfim as pessoas estão deixando de permitir que os descontrolados os nivelem por baixo.

    Responda
  43. Geraldo Ismael Bays

    Tomara que seja real. Eu viveria muito bem sem. Quantas mortes a menos. O SUS agradeceria. Mais ainda com cigarro. Impostos não cobrem 1/3 do custo do SUS.

    Responda
  44. Cristiano Kock Vitta

    Sou o único alcoólatra da família. É o que dizem. O álcool é uma droga pesada. Trouxe-me muita infelicidade. Leio com muita satisfação a coluna "Vida de Alcoólatra, uma preciosidade nesses tempos cínicos. E vejo com muita alegria meu sobrinho aos 21 anos trabalhando num grande banco na Faria Lima, um menino que aguentou meus discursos sobre Marx, Leonardo Boff, Lima Barreto. Para minha felicidade, Eric gosta muito da literatura latino-americana e alemã (especialmente Hesse). Humanismo na veia.

    Responda
    1. Marcos Benassi

      Birita é Soda, caro Cristiano. Eu, que tendo a tomar cerveja todo dia - nem é muita, 3ou4 latas/garrafinhas - me considero alcoólatra, porque me faz falta. E é um saco, porque demanda: além da grana, tem de providenciar, já basta o tabagismo. Birita, por mais piada que façamos, tem de ser levada muito a sério. A garotada que se cuide, com álcool e os "vapes" - estes, aliás, na berlinda hoje nesta folha, com o artigo do Gonzalo Vecina.

  45. Osnilson Rodrigues Silva

    Parei de beber em bares e restaurantes. O custo é muito alto. Por aqui (Palmas/TO), a cerveja está R$20,00 e o cover artístico R$10,00. Pronto, acabou o dinheiro.

    Responda
  46. EDUARDO DE MELLO

    A vida sem álcool é muito melhor. Os bêbados são uns chatos que contam a mesma piada todas as noites.

    Responda
  47. Franz Wagner

    Após minha conversão ao Islã parei terminantemente do consumo de bebidas alcoólicas. Até porque a abordagem holística do Islã para a saúde e bem-estar significa que qualquer coisa prejudicial ou predominantemente prejudicial, é proibida. Portanto, o Islã assume uma posição inflexível em relação ao álcool e proíbe seu consumo em quantidades pequenas ou grandes. O álcool é sem dúvida prejudicial e afeta a mente e o corpo de forma negativa. Allahu Akbar

    Responda
    1. Hernandez Piras

      Falar de carne de porco para um muçulmano é o cúmulo da grosseria. Além disso, o sujeito fala que se converteu ao Islã e o outro diz que ele não sabe o que está perdendo. A ignorância....

    2. José Cardoso

      Não sabe o que está perdendo. Com uma carne de porco então...

  48. Dalmo de Souza Amorim Junior

    Um fenômeno similar ao que aconteceu na década de 1990 com aquela desgraça que foi o hábito de fumar, hoje restrito apenas a pessoas viciadas ou pessoas com nível cultural baixo, que ainda não identificaram os malefícios e foram incentivados a deixar o hábito nocivo. Que a bebida alcoólica está em declínio, é inegável, não precisa de pesquisa inglesa para perceber isso.

    Responda
  49. Felicio Antonio Siqueira Filho

    A partir de uma pesquisa na Inglaterra feita por uma empresa, KAM, da qual não temos nenhum detalhe quanto à qualidade, o autor generaliza vendo uma tendência mundial. Bem à maneira de redes sociais. Tá mais pra tia do zap do que jornalismo.

    Responda
    1. Luana Costa

      Também achei bem eurocêntrica a matéria.

    2. Daniel Bertelli

      Ta de ressaca, Felicio? Calma…um brinde!

  50. Pipo Falda

    Menos álcool e mais barbitúricos. E seguimos ignorando o patente fracasso do capitalismo. É uma máquina de moer gente. Não faz sentido trabalhar 40h por semana. Não faz sentido consumir tanto. A hecatombe climática avança a passos largos. E os utópicos somos nós, que questionamos esta merda. O "mercado" segue sendo uma entidade que dita nosso destino como se isso fosse o natural. É mais fácil imaginar o fim do mundo que o fim do capitalismo...

    Responda