Coment√°rios para:

Economia da folia

VER COMENT√ĀRIOS EM Ruy Castro

Comente*

* Apenas para assinantes

coment√°rios

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

  1. Marcos Benassi

    Haja calípio, Ruy! O Carnavá ainda produzirá uma crise na produção brazuca de celulose, de tanto calípio desviado pra extração de seu odor. Vai faltar papel pra manutenção de diarinho de milico gorpista velho! Hahahahah!

    Responda
  2. Dario Lima

    A cultura carnavalesca √© um patrim√īnio cultural incalcul√°vel, assim como o quantitativo econ√īmico, a felicidade daqueles que sabem ser felizes e a amargura dos amargurados pelos dogmas religiosos.

    Responda
  3. Fernando Sergio Magalh√£es de Aguiar

    Pura falta de assunto. Do Ruy e dos seus seguidores.

    Responda
    1. neli faria

      Uai, n√£o √© n√£o. Dias atr√°s, numa M√≠dia social algu√©m apontou que o Carnaval deveria acabar. Respondi, em minha humilde sabedoria, que o Carnaval dava in√ļmeros empregos . E o Ruy, talvez mirando em meu pensamento, apontou o bem que o Carnaval faz para a Economia. Igual a Parada glst...em S√£o Paulo: in√ļmeros benef√≠cios diretos e indiretos para a cidade.

    2. Jove Bernardes

      H√° excesso de bile aqui e ali nos coment√°rios.

    3. Hernandez Piras

      De fato, o Carnaval não é assunto relevante. Nem o entretenimento em geral. Como bons fundamentalistas, pensemos apenas na salvação de nossas almas e em matar algum herege por aí.

    4. Felicio Almiro Lima Rodrigues

      Coisa boa. S√°bado, tranquilo, falta de assunto, uma cr√īnica leve... enfim. N√£o sou bolsonarista, n√£o sou carcereiro, nao penso ir √† porta da Papuda esperar o mito joia... sem stress.

  4. RAULAND BORBA BATISTA

    O carnaval surgiu como uma válvula de escape da opressão e medo, dos feitores (donos do Brasil) , o hoje é folclore , mais a folia continua nos três poderes.

    Responda
    1. RAULAND BORBA BATISTA

      No Brasil já foi proibido sambar , era crime. Como é crime achar que as aves que aqui gorjeia gorjeia com lá .(Roma )

    2. SILVIA KLEIN DE BARROS

      Ok, pra ser justa, as Saturn√°lias j√° eram consideradas v√°lvulas de escape dos escravos (ou n√£o-cidad√£os). Desde Homero!

    3. SILVIA KLEIN DE BARROS

      Caro Rauland, o Carnaval é um bocadinho mais antigo, vem das festas das Saturnálias gregas... Um bom livro de mitologia cairia bem pra você.

  5. Felicio Almiro Lima Rodrigues

    S√≥ o camarote Salvador, em Salvador da Bahia, claro, movimenta 150 milh√Ķes de reais.

    Responda
  6. Marcos Valério Rocha

    Chico Buarque cantava "carnaval desengano. Essa morena me deixou chorando". Vinicius de Moraes, "Pra tudo se acabar na terça feira". Carnaval é isso. Tem o lado positivo do turismo e o lado negativo de criar os futuros marginais que atormentam a nação.

    Responda
    1. Marcos Valério Rocha

      Os jovens de classe m√©dia alta e rica, engravidam meninas pobres, a maioria sem condi√ß√Ķes financeiras de ter uma fam√≠lia e sem coragem pra denunciar os riquinhos filhos de "papai" e largam crian√ßas ao leo que invariavelmente v√£o engrossar o tr√°fico e a marginalidade em geral.

    2. Dilmar Oliveira

      Me precipitei, fui lendo o texto e, ainda na primeira metade da leitura já concordei e positivei. Cheguei ao final e me arrependi, mas não tem jeito de despositivar comentários... Começou bem e terminou péssimo, com um argumento sem noção!

    3. SILVIA KLEIN DE BARROS

      De onde voc√™ tirou essa ideia estapaf√ļrdia de que o Carnaval cria futuros marginais? Eu hein, que viagem....

  7. Marcelo Ribeiro

    O Carnaval e suas m√ļltiplas facetas, o vi√©s abordado pelo Mestre Ruy, a economia criativa que movimenta uma legi√£o de trabalhadoras(es) √© algo not√°vel e garante capilaridade na circula√ß√£o de riqueza. Imagine acoplar um grande sistema de gest√£o ambiental, de forma a otimizar a reciclagem de materiais e produtos, gerando renda para associa√ß√Ķes e cooperativas de catadores de recicl√°veis, n√£o restrito apenas √†s latinhas.

    Responda
  8. neli faria

    N√£o apontou os turistas que gastam nas cidades:√īnibus, avi√£o, hotel...! Em mil novecentos e sessenta pulei na matin√™ do Clube Venceslau, em Braz√≥polis.Cheirei lan√ßa perfume, um frasco geladinho;menos de sete anos.E depois, larguei do Carnaval, na juventude ia acampar por a√≠. Anos mais tarde, bem mais tarde, sai, na semana inteira, nos blocos pr√© carnaval. Desfile de Escola? Fui convidada para ajudar empurrar um carro , da Vai Vai, nos anos noventa.N√£o quis. E arrependi.

    Responda
    1. neli faria

      E, me esqueci. Em noventa e quatro saí na Banda de Ipanema.

  9. paul constantinides

    obrigado Ruy. tem gente q pensa que a produção cultural não move a economia e só mama nas tetas do Estado.

    Responda
  10. Carla C Oliveira

    Tem o carcnaval de rua também.

    Responda
  11. Deslandi Torres

    Tem que multiplicar esses fatores tamb√©m pela quantidade de escolas e de blocos espalhados por todo o Brasil. √Č uma montanha de dinheiro.

    Responda
  12. Paulo Roberto Waldemiro

    Verdade! A roda do dinheiro funciona a pleno vapor, de certa forma, todos ganham o seu quinh√£o no carnaval!

    Responda
  13. Marcos Correia

    Tamb√©m tem o com√©rcio de adere√ßos, brinquedos, os antigos serpentina e confetes, comida, bebida, drogas legais ou n√£o, hospedagem pros foli√Ķes de fora, e os rem√©dios pra encarar a ressaca na quarta-feira de cinzas.

    Responda
  14. Ivo Ferreira

    Os milhares de camel√īs espalhados por a√≠, vendendo de tudo...

    Responda
  15. Fabrício Schweitzer

    Tem a economia da folia e a folia da economia. A √ļltima √© sem coment√°rios. Gosto de pensar na criatividade, na arte e no aprendizado.

    Responda
  16. José Cardoso

    Esqueceu dos hotéis e aluguéis por temporada. O dinheiro flui para quem tem propriedades nos lugares mais quentes.

    Responda
  17. Maria Cecília Cordeiro de Miranda

    Ha aí um fator que faz a diferença. As pessoas que trabalham diretamente para os desfiles, amam o que é fazem. E esse fator, sim, agrega valor incalculável à economia!

    Responda