Comente*

* Apenas para assinantes

comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

  1. Fabiana Menezes

    São escolhas. Com planejamento e organização, sem explorar ninguém ( muita gente paga o justo) é possível uma alimentação saudável e diversificada. Viva a comida brasileira!

    Responda
  2. Gustavo VB Farias

    O mais engraçado é que o autor crítica levianidades alheias mas sempre é raso, invade a ciência médica, a sociologia, tudinho

    Responda
    1. filipe moura lima

      Leia pondé e deixe o marcão em paz e conosco

    2. Paulo César de Oliveira

      Deixa de ser chato, Gustavo.

  3. Adriana Sartori

    Concordo com o argumento do artigo, mas não exemplificaria com o feijão. Aqui é por causa dele que não paro de comer em casa. Em 45 minutos, tenho o feijão pronto para a família + 5 porções para congelar. Ele rende. No dia a dia, tiro o feijão congelado. O trabalho extra é rápido: faço arroz ou batata-doce cozida, ovo frito, cenoura ou beterraba ralada... e voilá, tenho o almoço colorido das crianças.

    Responda
  4. Neber Fava

    Apesar da foto do artigo falar outra coisa, o lugar certo do feijão para o trabalhador e embaixo do arroz, se for o contrário, vira uma bagunça só depois de sacudir uma hora no transporte coletivo.

    Responda
    1. FRANCISCO DOS SANTOS

      Acho que, por causa do caldo, o feijão vai embaixo , na marmita. Na hora de esquentar, naquela chapa com fogo o arroz queimaria. Concordo que o Marcão deveria escrever sobre isso.

    2. Joao Maluf

      Ih, rapaz. Isto gera uma polêmica!

    3. raul neto

      Discordo completamente. Mas concordo que é uma questão muito séria e merecia um texto do Marcão.

  5. Lúcia da Silva Araujo

    Se a preparação da comida for feita pelo casal, e incluindo filhos mais velhos, rapidamente sai. O que é preciso é mudar a mentalidade. Quem sabe daqui a 20 anos o i-food explorador de mão de obra seja substituído pela parceria em casa?

    Responda
    1. Raymundo de Lima Lima

      Mais provável que o tal i-food seja comprado p um gigante tubarão dos Estados Unidos, a exemplo do que acontece com empresas funerárias, e outras.

    2. Joao Maluf

      Perfeito comentário.

  6. Marcelo Paiva

    realmente o marcão hoje falou bobagem, isso tudo para passar pano para ceo de ifood?

    Responda
  7. Vitor Heisenberg

    O feijão sumiu dos pratos dos brasileiros devido as flatulências que ocasiona, é improdutivo ter que sair para esvaziar a todo momento, chefes não admitem a ausência do funcionário e nem a lugares isolados para soltar a bufa.

    Responda
  8. sandoval abreu sader

    O Marcão, hoje, falou bobagem.

    Responda
    1. marco martins

      Pra variar

  9. sandoval abreu sader

    O Marcão, hoje, falou bobagem.

    Responda
  10. Cristina Murta

    Depois de deixar o feijão de molho a noite toda, bastam 15 minutos para cozinhá-lo. O feijão é o item mais rápido de ser feito. O arroz, as carnes e as saladas são mais demorados. Limpar e picar legumes e verduras, para mim, é o que mais demora. Nem parece que o Marcos é cozinheiro, foi falar logo do feijão! Hoje mesmo eu já deixei de molho um dos meus preferidos, o fradinho!

    Responda
    1. Regina Fonseca

      Porque homem só cozinha, o resto todo quem faz é mulher e no caso dele deve ser os assistentes.

  11. Adilson Fornazieri Maturana

    O conceito de "mistura" varia um pouco, de acordo com minha observação participante. Em nossa casa em São Paulo (capital), quando era criança (anos 70/80), "mistura" seria tudo que pudesse ser acrescentado ao arroz com feijão, exceto a salada e, eventualmente, um macarrão. Então "mistura" poderia ser sim um ovo frito ou legumes refogados e até as batatas fritas e não necessariamente carne, se ela de que tipo for. Cansei de levar marmita com o ovo como mistura e não ficava bom não.

    Responda
  12. CLEBERSON DA SILVA PEREIRA

    Eu discordo do autor. As cozinhas de hoje estão preparadas com panelas elétricas, fornos automáticos que não precisam de supervisão exclusiva. O arroz com feijão, e mistura vai continuar, e com salada . Batata frita nem sempre. O pessoal tem preguiça é de lavar louça. E a introdução de dietas , seja mediterrânea ou marciana, influencia a cultura alimentar. Não tem como negar a busca por alimentos funcionais. Mas sejamos sinceros...whey, shake, comida congelada, fast food é uma comida chata

    Responda
  13. Virgínia Oliveira

    Na mosca. Lendo rapido antes de preparar meu sanduiche, almoço do trabalho que irá consumir 12 horas do meu dia. Quem tem tempo hoje para preparar uma refeição caseira com 5 itens? Desanimador.

    Responda
    1. DANIELA Krause

      o problema é o tempo que o trabalho consome na vida de cada um. 12 horas em função dele, não sobra vontade de fazer mais nada. Enquanto continuarmos analisando essa questão a partir cada um dos nossos umbigos (é só se organizar, 15 minutos é suficiente, etc), essa e outras questões - exercício físico, por exemplo, que segue a mesma lógica, serão analisadas como questões morais (preguiça e tal), e não como uma estrutura de trabalho que está errada. Os motoboys e motoristas de uber que o digam.

    2. Audrey Constant Bruno

      Tente colocar o feijão de molho à noite, de manhã troque a água e cozinhe por 15 minutos na pressão. Enquanto isso, pique e frite no óleo cebola e alho. Após sair a pressão junte o feijão no refogado, acerte o sal. Só feijão já alimenta. Junto com seu sanduíche, vai dar bom. Abraço.

    3. Cristina Murta

      O problema está em trabalhar 12 horas, não é fazer a comida.

  14. Adriano Gomes

    Que texto lindo.

    Responda
  15. Roberto Gomes

    Honestamente? Seria importante conhecer os números. Qual a porcentagem da população que pode ser dar ao luxo de pedir comida pronta por aplicativo? Nunca pedi, exceto durante a pandemia, por escolha. Mas, confesso, na minha família gostamos de cozinhar e não existe comida melhor, modéstia à parte.

    Responda
    1. mizael dias

      Pedir comida, geralmente gorda e não saúdavel virou modinha de celular.

  16. VICTOR PONTES

    Tá de brincadeira. Que baita texto! Quem diria q a coluna de culinária há um bom tempo é a a melhor a ser lida desse jornal. Não perco uma do Marcos Pereira. Viva o cozinha bruta!

    Responda
    1. FLAVIO ZOLETTI

      Marcos Pereira é o cara! Viva a cozinha abrupta!

  17. Pedro Luis S C Rodrigues

    Tem um ponto quanto a inadequação da dieta típica brasileira aos tempos atuais, mas, como de hábito, se perde na groselha “sociologica”

    Responda
    1. EDUARDO GUILHERME PIACSEK

      CQD

    2. Pedro Luis S C Rodrigues

      Eduardo, primeiro que coloquei "sociologico" entre aspas, segundo que a coluna é de gastronomia. Toda vez que o colunista sai do tema é esse cliche de luta de classes que só escancara o recalque do mesmo por ser duro. Mas, pelo que se ve nos comentários em geral aqui na FSP, não só nessa matéria, os recalcados são ampla maioria entre quem comenta. É chorume puro

    3. EDUARDO GUILHERME PIACSEK

      O texto é inteiro sociológico, mas você só gosta do que convém. O que incomoda vira "groselha".

  18. Mário Sérgio Mesquita Monsores

    Vamos combinar. Feijão é preto ok ?

    Responda
  19. Joaquim Rocha

    Deixando o feijão carioca de molho por algumas horas ele cozinha em 10 minutos na pressao. Enquanto ele cozinha pica-se a cebola e o alho, e se gostar, um pedaço de bacon. Uma refogadinha com temperos e sal e pronto. Junta-se ao feijão cozido com duas folhas de louro. Deixa -se apurar por 5min no fogo e pronto. Em 30 minutos no máximo está tudo pronto. Muito rápido. E pode-se congelar em porções pra semana toda.

    Responda
    1. Joaquim Rocha

      A comida básica do brasileiro, feijão e arroz se previamente lavados e deixado o feijão de molho, leva 30 minutos para se feita. Se deixar tulipa de frango e batatas rústicas na airfryer antes tudo fica pronto nesse tempo.

    2. Cristina Murta

      Exatamente! Foi falar logo do feijão, que é o mais rápido de ser feito? nem parece que é cozinheiro! rsrs

  20. Giovana Faccio

    Marcos, acompanho sua coluna há um tempo (é dos poucos autores que ainda gosto neste jornal) e mais uma vez, sua leitura de sociedade, feita através da cozinha foi precisa! Obrigada por mais esta reflexão!

    Responda
  21. Vito Algirdas Sukys

    Deixar o feijão de molho na noite anterior é vital. Meu dissenso é quanto colocar o arroz embaixo do feijão; todo mundo em casa coloca separado do feijão, e no lugar da farofa uma saladinha com três ou quatro ingredientes, hábito que minha família trouxe da Europa e remonta segundo pesquisa minha mais de um século e meio. Um dia com dor abdominal fui ao médico e ao apalpar meu abdomen ele ficou surpreso com a extensão do intestino; disse-me que era resultado de uma dieta rica em fibras: saladas

    Responda
  22. Israel Rojtman

    Marcão, infelizmente, você se engana sobre a parte das empregadas domésticas. O sistema educacional brasileiro está formando, nesse momento, um exército de analfabetos funcionais que não sabem fazer conta de fração. A disponibilidade de mão de obra para ocupar a posição de doméstica está sendo garantida por pelo menos mais 2 gerações

    Responda
    1. VICTOR PONTES

      Ele tá certo. Essa galera q não sabe fração tem ido a outros ramos de empregos pauperizados. Empregada doméstica é uma profissão cada vez mais difícil de se ver. Pq se tornaram precários também os empregos de setores médios. As pessoas não estão conseguindo pagar por isso.

  23. Galdino Formiga

    A matéria apenas confirmou a opinião do CEO iFood.

    Responda
  24. Joao Pinheiro

    Comida caseira é tudo de bom.

    Responda
  25. Paulo Jr

    O próprio autor cita na matéria a razão pela qual não é esse absurdo todo fazer feijão em casa, pode-se fazer uma grande quantidade de uma vez. O alimento preparado aceita sem dificuldade um tempo de freezer de semanas. Lá em casa somos só duas pessoas, e uma panela, dividida em quatro potes, dura mais de 20 dias, às custas de 2 horas de preparo. O preparo de bifes e saladas acabam gastando mais tempo por refeição.

    Responda
  26. João Lourenço dos Anjos

    Fritas não fazem parte do dia a dia do brasileiro o que já reduz a dificuldade. Cozinho e controlo o descongelamento das porções diárias de feijão, a serem refogadas para o almoço de cinco alimentos Enfim, acho que a cozinha tradicional ainda prevalecerá por décadas

    Responda
  27. João Lourenço dos Anjos

    Fritas n

    Responda
  28. stenio miranda

    pensei que o marcão fosse dar uma receita de feijão...

    Responda
  29. Celso Augusto Coccaro Filho

    Já era a saudável alimentação brasileira, veja-se o aumento da obesidade provocado pelas porcarias variadas e processadas. O malevolente ser brasileiro está em regra bem arredondado. Já o fetiche relativo a “criadas cativas” vive no imaginário progressista. Para os civilizados, os vínculos seguem os ditames das normas trabalhistas, quanto a direitos, jornada, feijão etc. Mas, de fato, planos de saúde apertam o orçamento, levam ao consumo de junkie e à dependência deles mesmos.

    Responda
  30. Tadeu Humberto Scarparo Cunha

    Caro Marcos texto muito interessante, porém o abandono da dupla arroz com feijão não será futuramente uma grande ideia,pois segundo nutricionista esse dupla tem muitas propriedades alimentares que outras gororobas modernas jamais terão.

    Responda