Comente*

* Apenas para assinantes

coment√°rios

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

  1. Samuel Gueiros Jr

    Ao criar um benefício governamental de mais de mil reais para autistas começou uma corrida de psicólogos e mães para pressionar medicos e assim conseguir acesso a esse beneficio.

    Responda
    1. Samuel Gueiros Jr

      Essa é a principal causa para a autismania que impera no país.

  2. Samuel Gueiros Jr

    Ao criar um benefício de mais de R$1.400 para autistas começou uma corrida de mães e psicólogos para os consultórios médicos para validar esse diagnóstico e conseguir essa renda. Essa 'autismania' reflete essas medidas populistas que para cada problema social inventam um benefício com o dinheiro dos contribuintes.

    Responda
  3. Fauzi Palis Junior

    Sou psiquiatra h√° 50anos e todo dia vejo diagn√≥sticos errados feitos por outros especialistas, e feitos pela pr√≥pria pessoa. O diagn√≥stico do autismo √© complexo e realizado por equipe multidisciplinar. √Č d√≥cil de ser bem feito e f√°cil de ser discutido num jornal onde n√£o se est√° frente a frente. Agora, √© f√°cil desmascarar os falso autistas, isso qqer um pode fazer. Basta falar algo que n√£o os agrada e logo vem com respostas agressivas e esdr√ļxulas porque tem medo de perder suas justificativas

    Responda
    1. Fauzi Palis Junior

      Para qualquer um que me procure eu mostro como existem in√ļmeros outros problemas muito mais profundos e complexos, que s√£o passados por cima para simplificar um diagn√≥stico. N√£o sei especificamente do seu caso, n√£o te conhe√ßo, mas afirmo categoricamente que diagn√≥sticos errados est√£o sendo dados por in√ļmeras raz√Ķes, e uma delas √© o desconhecimento da psicologia profunda. Os diagnosticadores s√£o influ√™nciados pela m√≠dia, pelo Google e pelas redes em rela√ß√£o ao que est√° em evid√™ncia, ou, na moda.

    2. Lucas Gomes

      Doutor, n√£o adianta o senhor denunciar meu coment√°rio. O senhor tem direito a sua opini√£o e eu a minha. O fato √© que os n√ļmeros n√£o mentem. Segundo o Centers Of Disease Control 1 a cada 36 crian√ßas de at√© 8 anos s√£o autistas, ou seja, 2,8%! √Č bastante gente... E essas crian√ßas um dia ser√£o adultos, assim como eu e tantos outros, autistas e assim para o resto da vida! Dizer que √© "doen√ßa da moda" √© desrespeitoso e soa como negacionismo.

  4. joao luiz de Mello

    Sou pediatra h√° 41 anos e atendo desde o in√≠cio de carreira pacientes com TEA. N√£o √© uma ¬ďmoda¬Ē diagn√≥stica, mas uma condi√ß√£o mais frequente, mesmo levando em conta que √© melhor diagnosticada do que antes. A causa gen√©tica √© bem documentada, mas √© insuficiente para explicar TODOS os casos e h√° suspeita de que existam outras causas como algumas medica√ß√Ķes tomadas pela m√£e durante a gesta√ß√£o

    Responda
    1. Lucas Gomes

      Sim Dr. João, parabéns por se apoiar em dados científicos.

    2. Fauzi Palis Junior

      Dr João Afirmo categoricamente que virou uma moda e desculpa deplorável. Diagnósticos feitos por leigos, não médicos e não psiquiatras .

  5. Julio Louzada

    A um tempo atrás eram pessoas excêntricas, tímidas, retraídas, focadas ou até mesmo esquesitas. Hoje viraroubtudo autista, cada época tem suas caixinhas e assim tentamos classificar a natureza humana.

    Responda
    1. Marcia Alves de Pinho

      Nossa¬Ö quanta falta de conhecimento. √Č triste ler um coment√°rio que tenho certeza fere in√ļmeras fam√≠lias. A natureza, inclusive a humana, √© objeto de imensos estudos buscando amenizar dores que a perpassa.

    2. Lucas Gomes

      Caro Julio, sim, se passavam por pessoas com essas características que você mencionou, porém não são esses traços mais perceptíveis que as caracterizam como portadores de um transtorno (até porque timidez, retração, excentricidade não são critérios diagnósticos do autismo), mas sim os prejuízos significativos que têm em suas vidas por conta de dificuldades sociais e de comunicação. Não banalize a condição do autista nível 1, pois somos funcionais sim, mas um custo enorme físico e emocional.

  6. RITA DE CÃ SSIA KOVALINKINAS FOLTRAM

    Enquanto profissional da educação ando assustada com a quantidade de laudos de autismo recebidos de alguns alunos para os quais nenhum professor nunca notou nenhuma característica. E olha que professor tem olho clínico. Muitos deles convivem com crianças há mais de 20 anos.

    Responda
  7. Francisco Barbosa

    autismo não uma doença, é um transtorno do desenvolvimento neurológico, usar o termo epidemia, como uma doença causada por vírus ou bactérias, é errado, desinforma e é capacitista. Que vergonha, falta apuração e pesquisa a esse jornalismo sensacionalista e mequetrefe

    Responda
    1. Francisco Barbosa

      olá, Fauzi, entendo seu argumento, mas o fato de termos menos diagnósticos e menor persistência de quadros clínicos de bipolaridade, para ficar no seu exemplo, não se deve ao fato de que os medicamentos e tratamentos não tenham evoluído e tratado sintomas? Sem o lítio medicamentoso muitos maníacos-depressivos ainda estariam em surto e a bipolaridade continuaria na "moda", sem os "retrovirais" a aids provavelmente ainda seria uma doença da "moda" e uma epidemia mundial.

    2. Fauzi Palis Junior

      Francisco, existem doen√ßas da moda sim e n√£o n√£o tem nada de sensacionalismo. Todas as especialidades m√©dicas se deparam com isso. Em psiquiatria h√° pouco tempo foi o transtorno bipolar e o tdah. Agora √© o autismo e daqui a pouco ser√° outra. Venho estudando o tema h√° 45 anos e √© exatamente assim. √Č preciso estar no meio m√©dico para saber disso

    3. Lucas Gomes

      Vc tem raz√£o, Francisco.

    4. Francisco Barbosa

      de acordo, Lucas, mas pensar que o autismo seja doen√ßa √© supor que exista cura para ele, trata-se de um transtorno constitutivo da personalidade, postular uma cura pode gerar politicas e posi√ß√Ķes equivocadas. Mesmo que existam diagn√≥sticos errados, √© um problema de erro m√©dico e n√£o de epidemia, mesmo o uso metaf√≥rico √© muito pernicioso. N√£o existe doen√ßa da moda. Isso √© sensacionalismo baixo.

    5. Lucas Gomes

      Do ponto de vista sem√Ęntico est√° incorreto mesmo se referir a epidemia, pois de fato n√£o √© uma doen√ßa e sim um transtorno. Mas tamb√©m se referir como doen√ßa n√£o √© propriamente ofensivo... Como se ser autista fosse bom - n√£o √©!

  8. Vinicius Chaves

    Sou autista n√≠vel 1 de Suporte e n√£o estamos vivendo uma epidemia de autismo, ou doen√ßa da Moda. O Autismo sempre esteve presente, s√≥ n√£o havia diagn√≥sticos e informa√ß√Ķes suficientes. Era s√≥ o "esquisito"

    Responda
  9. Fauzi Palis Junior

    Sem d√ļvida √© a doen√ßa da moda, por isso milhares de diagn√≥sticos errados.

    Responda
    1. Lucas Gomes

      Quantos errados voc√™ j√° detectou em seu vasto conhecimento no assunto? Doen√ßa da moda? Que coment√°rio mais raso e sem fundamento. O que est√° na moda √© essa desinforma√ß√£o que se espalha nesse antro de ignor√Ęncia chamada Internet.