Comente*

* Apenas para assinantes

comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

  1. SERGIO BARROS DE ARAUJO

    Muito difícil de acreditar que o STF vá cortar na própria carne. Ali predomina o corporativismo e a corrupção sem qualquer pudor. A constituição é um mero detalhe.

    Responda
  2. Lourdes Barros

    Um sonho: um dia a FSP fazendo uma reportagem séria e imparcial sobre como vivem os aposentados do sistema público paulista da base da pirâmide. E como sobreviveram por 2 anos, em plena pandemia, tendo descontados de seus salários brutos (algo em torno de 4 mil reais ou menos) de 12 a 16% devido a um déficit previdenciário nunca divulgado, portanto suposto. Esse jabuti precisa sair da reforma. Que o ministro Gilmar Mendes tenha consciência e piedade, porque a Folha...não têm.

    Responda
  3. Rogério Marciano

    Que tal uma reforma na previdência dos Milicos??

    Responda
  4. ELIZEU CARMONA COGO

    Para chegar na situação da Venezuela e Argentina é continuar com tudo isso.

    Responda
  5. Cassio Vicinal

    O editorial menciona que o déficit previdenciário projetado em 10 anos é menor que os subsídios anuais ao setor privado, que somam 600 bilhões? Isso ressalta uma distorção significativa nos gastos públicos. Além disso, o setor privado é desonerado em cerca de 90 bilhões anuais nas contribuições previdenciárias, o que agrava a percepção de falta de equidade entre os setores. O Supremo deve observar Constituição e Leis, não uma análise simplista como essa. Dever de casa, por favor, Folha.

    Responda
    1. Cassio Vicinal

      A desoneração do setor privado de contribuições previdenciárias e outros benefícios fiscais concedidos a empresas criam uma situação onde a equidade e a isonomia defendidas são questionáveis. É fato que o próprio jornal que publicou o editorial é desonerado de contribuições previdenciárias? Isso ilustraria um possível conflito de interesse e uma visão parcial da questão. Em resumo, é a minha opinião pelos dados pra apresentados.

    2. WALTER MORAIS JUNIOR

      Parece que "dever de casa" não é o forte da Folha mesmo. Abrir mão de desoneração é golpe mas tungar aposentado, "tudo bem". Vai mal esses jornais protetores da burguesia. "Viva la Revolucion"

  6. Joabe Souza

    Misturar os dois temas não contribui para a clareza do debate. Uma coisa é a progressividade da contribuição - que afeta as remunerações mais altas - outra bem diferente é a cobrança de contribuição previdenciária de quem se aposenta com valor inferior ao teto do INSS, hoje de menos de R$ 8 mil. Basta pensar numa professora ou enfermeira que se aposente com essa remuneração e viva no limite dos seus gastos essenciais e tenha sua aposentadoria reduzida pela imposição de um contribuição extra.

    Responda
  7. José Miguel Bendrao Saldanha

    ... que tem de existir, e é paga, como todas as despesas do Estado, pelas receitas de impostos e contribuições. O que tem de ser controlado é o total desses gastos, que, ao menos no caso da União, NÃO ESTÁ "explodindo". Ao contrário, vem diminuindo em valores reais. Quem tem de pagar a conta é de fato quem sempre a pagou, a sociedade, e não os servidores ativos, cujos vencimentos também são pagos pela sociedade!

    Responda
  8. José Miguel Bendrao Saldanha

    O "rombo" das previdências dos servidores é fictício, porque se baseia em somar uma receita inexistente (a contribuição da União para si própria, arbitrária) com um desconto feito nos vencimentos dos ativos, e em seguida subtrair toda a despesa com aposentados e pensionistas. O resultado dessa conta sempre resultará em "déficit", que, na verdade, não existe. Ora toda a folha de pagamento relativa a servidores, somando ativos, aposentados e pensionistas, é uma despesa da União, ...

    Responda
    1. Cassio Vicinal

      Interessante. A criação de um déficit com base em receitas inexistentes (como a contribuição arbitrária da União para si mesma) e a subtração das despesas totais pode ser uma construção contábil que não reflete a verdadeira situação fiscal. É isso? Se for, a construção do déficit pode ser usada para justificar reformas e cortes nos benefícios dos servidores públicos sob a alegação de insustentabilidade fiscal. Seria trágico.

  9. Vinicius Branco

    Basta a Folha abordar o assunto para deixar os barnabés revoltados. Quanta bisarrice!

    Responda
    1. Vinicius Branco

      Certo, mas não vivemos em um sistema capitalista? O que é que esses servidores querem defender? O socialismo?

    2. Mauricio de Oliveira e Silva

      Você não deve generalizar o teu pensamento a respeito dos servidores públicos, que por função estão comprometidos com a preservação dos interesses sociais contra os capitalistas financeiros que estão interessados em reduzir o estado para sobrar dinheiro para o pagamento de juros dos títulos públicos.

  10. MARIA F LUPORINI

    Tira o braço pesado de cima dos aposentados, Folha!!

    Responda
  11. Hercilio Silva

    Faltou citar que isso não é igual a imposto de renda, os 11% já são são progressivos. É em cima da renda de cada um que se calcula a aposentadoria.

    Responda
  12. Ney Fernando

    Julgar levando em conta apenas os valores discutidos na causa, como o jornal propõe, não tem nada de jurídico. Na Justiça de verdade, Julgar é aplicar o direito ao caso concreto, corrigindo o que está errado ou confirmando o que está correto. Caso contrário, é melhor tirar essa competência do STF e passá-la para o Tribunal de Contas da União, que é formado apenas por indicações políticas.

    Responda
  13. carlos pereira

    Muito engraçado o apego do colunista pelo princípio da progressividade... Até o fim do governo Itamar Franco a alíquota máxima era de 35%. Veio a dupla fhc e malan e a alíquota foi reduzida para 25%, aumentada para 27,5% durante a trapaça cambial da reeleição de fhc em 1998 para os 27,5% que vigoram até hoje. Se, por exemplo, o patrão do colunista tem renda mensal de, digamos, um milhão, pagará o mesmo percentual de servidor ou pequeno empresário que ganha parcela acima de 15 mil. Bonito, né?

    Responda
  14. Roger Hoefel

    Fsp: braço jornalístico do banco dos f r i a s

    Responda
  15. Ricardo Andrade

    A Folha sempre contra os trabalhadores

    Responda
    1. Vinicius Branco

      Errado. A Folha sempre contra os barnabés, que pouco trabalham e muito ganham.

  16. Adriano Dias

    E pagar mais de 1 trilhão só de juros e amortização da dívida pública pode ? Não afeta o orçamento ? Ao contrário da especulação da dívida a previdência é paga com a contribuição do trabalhador e essa sim é uma dívida que o governo tem conosco.

    Responda
  17. marcio jose albino

    Por que não se derrubou o fator previdenciário. Para o povo sempre sobra as injustiças.

    Responda
  18. José Cardoso

    Se foi aprovado numa PEC, seguindo todo o rito de emendas à constituição, é por definição constitucional.

    Responda
  19. Almir Coelho

    A Folha sempre defendendo tubarão.

    Responda
  20. Rafael Theodoro Silva

    Cobrar empresas que devem milhões a previdência seria um bom início, quanto a tributação do funcionalismo existe a imensa maioria que faz parte do baixo clero. Devemos levar em conta também que o país está envelhecendo.

    Responda
  21. Mauricio de Oliveira e Silva

    Por que a Folha não faz um editorial e apoia a tributação das grandes fortunas, num país onde 1% da população detém metade da riqueza nacional e a outra metade é dividida pelos mais de 200 milhões de habitantes? Ah, porque este jornal é financiado pela Faria Lima que não quer pagar o Pato.

    Responda
    1. Vinicius Branco

      Resposta simples. Porque se fizer isso, as grandes fortunas vão embora e aqui fica só o osso.

  22. José Davi

    Que imprensa autoritária, o STF tem! Não dona Folha, à justiça e a política devem rever decisões que impactam diretamente à sociedade. Não é justo um trabalhador se aposentar com quase 70 anos e ganhando menos. Um editorial sobre a necessidade de taxar os multimilionário que ganham sem fazer nada, porque ficam na especulação e não na produção como vocês querem fazer crê, não fazem.

    Responda
    1. ANTONIO COELHO DE OLIVEIRA FILHO

      Os regimes de servidores e civis e da iniciativa privada já sai iguais.

    2. ANTONIO COELHO DE OLIVEIRA FILHO

      Os regime a de servidores civis e mais rígido que dos trabalhadores da iniciativa privada...... tanto de que aposentado do setor público continua de pagando.

    3. marcio jose albino

      Tem que se igualar os regimes , esta conversa de funcionário público não cola mais na sociedade.

  23. Marcus Machado

    E a merreca de Previdência que pagam os militares, quem também não têm regra de idade mínima para aposentadoria?

    Responda
    1. Breno Heleno

      Militares: lembra das falas: temos mais tropas.

  24. Gilberto Rosa

    A Folha sempre representou bilionários interesses privados apresentando opiniões e notícias como se fossem de interesse público. O dono tem mais de 10 bilhões e genética golpista, os interesses dele são bem diferentes dos interesses do povo brasileiro.

    Responda
    1. Gilberto Rosa

      Obrigado Vinícius, a sua contínua ingenuidade, de inocente leitor da Folha, acrescenta muito ao que falei.

    2. Vinicius Branco

      Caro Gilberto, que problema existe em ser rico em um pais capitalista? O sujeito estudou o mercado, encontrou uma oportunidade, assumiu o risco e empreendeu. Qual o pecado? Vc devia largar desse copia-e-cola de criticar a FSP todo o santo dia, e tentar escrever algo inteligente, mas aí já é pedir demais né?

    3. Gilberto Rosa

      Renato, pensa em uma praia, um grão de areia é o imposto que falaste, a praia inteira são os trilhões roubados em juros todos os anos, mais trilhões em sonegação fiscal. Tudo isto nesta coluna, é cortina de fumaça para esconder o gigantesco roubo de nossa bilionária elite do atraso. Leia o artigo Afarsa do Déficit, do professor Dowbor, no Le Monde Diplomatique.

    4. Renato Almeida

      Não sei se você leu a matéria completa, mas um servidor que ganha acima de 52 mil por mês pagar 22% de IR não me parece algo desproporcional. Acho até que deveria pagar mais, dadas as demais regalias que este público específico possui. Considerando que o GM que irá desempatar, já sabemos qual será o resultado. E não será bom ara o conjunto da sociedade.

  25. Jorge Rodrigues

    O STF atua fortemente contra a modernização do estado quando ressuscita a absurda contribuição sindical obrigatória e planeja alterar a imprescindível reforma previdenciária. Em outras frentes ainda mais deletérias o STF dá extrema proteção aos corruptos poderosos, pratica arbitrariedades, toma decisões com viés político, usurpa prerrogativas do Legislativo e se empenha em implantar a censura de forma oficial. O STF é altamente nocivo para o Brasil.

    Responda
  26. MATILVANI MOREIRA

    vencimentos acima de R$ 52 mil. Isso existe! Que vergonha!

    Responda
  27. João Francisco dos Santos

    O aumento da contribuição em 2019, na "reforma da previdência" se apropriou de forma desproporcional sobre os salários de aposentados e pensionistas civis da União. Que tal cobrar de clubes de futebol, pastores, igrejas negociais, alta renda, etc?

    Responda
  28. Giuseppe Nóbrega

    Se a maioria dos servidores públicos federais receberem além da faixa 2 de contribuição não haveria perdas. Mas colocar uma taxa linear de 11% pra todos só beneficia quem recebe mais e penaliza quem recebe menos.

    Responda
  29. Vanderlei Nogueira

    Viu como Lula ficou quietinho quando os militares reagiram às mudanças, previdência só serve aos militares esqueça

    Responda
    1. Vanderlei Nogueira

      Vendem toda a produção de armas para o estrangeiro e lutam por melhores salários

  30. Reivan Franca

    Não vejo a Folha com tamanha disposição para defender os interesses do cidadão, quando o tema é a Desoneração da Folha de Pagamentos, que também sangra a previdência e privilegia a classe empresarial. No mais, o editorial é raso e não ataca outros problemas, como as grandes dívidas das empresas com o sistema previdenciário.

    Responda
  31. Edison Gonçalves

    O STF deve fazer justiça e não ajuste fiscal.

    Responda
  32. Eder Marchi

    Nossa, a folha anda bastante preocupada com a saúde fiscal do país, né? Mas só quando essa saúde versa sobre aposentados, saúde pública e afins. Por que será?

    Responda
  33. Zelis Pereira S Junqueira P F

    Estamos vivendo num manicômio. Se isso acontecer pobre dos aposentados. Os funcionários sem condições de trabalho, agora de novo nas costas do contribuinte.

    Responda
  34. O Raffa

    E sobre subsídios e isenção tributária, vai ter editorial também? Para os pobres nada, para os ricos tudo! Está parecendo o outro jornalão!

    Responda
  35. HENRIQUE FERREIRA PACINI

    Tem que taxar a imprensa malandra e as remessas de lucros. Ai sobra dinheiro.

    Responda
  36. Rodrigo Castro

    STF preservando a coletividade? Desde quando? O lobby dos sanguessugas do erário, inclusive do próprio STF, sempre prevalece!

    Responda
  37. Enrica Souza

    Com o mesmo argumento de finanças governamentais combalidas, que tal defender também a revisão das isenções tributárias para as empresas (que inclusive são superiores ao déficit da previdência pública) ?

    Responda
    1. ademir sampaio de campos

      Nisso a folha não quer nem tocar no assunto. As isenções tributárias vergonhosas não trazem nenhum benefício e arrebentam as contas da previdência.

  38. Paulo Sales

    De que servidores voce fala?

    Responda